Fórum Itaboraí comemora 10º. aniversário discutindo fome, transporte público e saúde no município

Programa da Fiocruz em Petrópolis promove seminários online com especialistas para debater temáticas intersetoriais de promoção da saúde e enfrentamento das desigualdades sociais

Thaís Ferreira e Luiz Pistone (Fórum Itaboraí/Fiocruz) / Publicado em 15/10/2021

Como parte dos eventos em comemoração ao décimo aniversário, o Fórum Itaboraí: Ciência, Política e Cultura na Saúde, programa da presidência da Fiocruz em Petrópolis, realizará dois seminários online que vão discutir o transporte público e a fome em Petrópolis. A programação está alinhada à missão do Fórum, de contribuir com o fortalecimento do SUS e dos bairros populares  de Petrópolis, além de promover permanentemente espaços de reflexão, geração de ideias e atividades de caráter intersetorial para formulações de políticas e práticas tendentes a reduzir as desigualdades sociais na saúde.

Ambos eventos serão transmitidos pelo nosso canal do YouTube e terão interação com o público através do chat.

 

Os seminários

“Transporte Público e Saúde: desafios e perspectivas em Petrópolis” será o tema do encontro online que acontecerá no dia 18 de outubro (segunda-feira), das 18h às 20h, e discutirá a mobilidade e o transporte urbano como questões essenciais do direito à cidade, dando destaque às condições de extrema concentração da mobilidade em direção ao centro do município.

No dia 20 de outubro (quarta-feira), das 14h às 17h, acontecerá o seminário virtual “Segurança alimentar: há fome em Petrópolis?”, que abordará o agravamento das condições de segurança alimentar, em busca de caminhos para o enfrentamento da fome no município. O debate será também um preparatório para a Conferência Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional, que acontecerá nos dias 22 e 23 de outubro na cidade.

 

Programação:

Transporte Público e Saúde: desafios e perspectivas em Petrópolis

18h – 18h15 Abertura -  Impacto da mobilidade urbana na saúde: Resultados do Diagnóstico Rápido Participativo – DRP e impactos do transporte público na pandemia de COVID-19. Felix Rosenberg, Diretor do Fórum Itaboraí

18h15 – 18h35 – Mobilidade urbana e o direito à cidade - Luis C. S. Madeira Domingues, arquiteto urbanista pesquisador do PDCFMA/FIOCRUZ

18h35 – 18h45 - O olhar da comunidade sobre o transporte público em Petrópolis – Cláudia Renata Ramos- liderança comunitária do Movimento do Aluguel Social e Moradia de Petrópolis

18h45 – 19h05 – A experiência de Maricá(RJ) – Luiz Carlos dos Santos- ex- diretor presidente da Empresa Pública de Transportes (EPT) do município de Maricá-RJ

19h05 – 19h25 – Transporte Público em Petrópolis- desafios e perspectivas- Luciano Moreira da Silva- Diretor-Presidente da Companhia Petropolitana de Trânsito e Transportes - CPTRANS

19h25 – 19h35 - Perspectivas da comunidade: Célio Pereira - Membro do Conselho Local de Saúde do bairro Carangola- Petrópolis

19h35 – 19h50 – DEBATE

19h50 – 20h – Encerramento / Conclusões

 

Segurança alimentar: há fome em Petrópolis?

14h 14h10: Mesa de Abertura - Felix Rosenberg, Diretor do Fórum Itaboraí e Talita Berti, Presidente do COMSEA.

14h10 14h40: A crise da fome no mundo e no Brasil - Francisco Menezes, integrante do Grupo de Trabalho da Sociedade Civil, da Agenda 2030. Presidiu o Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (CONSEA) de 2004 a 2007.

14h40 14h55: A Insegurança Alimentar em Petrópolis, desafios para a política municipal - Rosane Borsato, Coordenadora da Comissão de Direitos Humanos na Câmara Municipal de Petrópolis e Ex-Secretária Municipal de Assistência Social.

14h55 15h10: A Fome como problema público - Denise Tarin, Procuradora de Justiça de Tutela Coletiva. Coordena o Programa de Segurança Humana desde 2014.

15h10 15h30: Canais alternativos e solidários de produção e comercialização de alimentos - Miriam Langenbach, membro e fundadora da Rede Ecológica.

15h30 15h50: Escola Pública e Segurança Alimentar e Nutricional -PNAE, merenda escolar hortas escolares - Robson Patrocínio, Fiocruz Mata Atlântica, atua nos projetos Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional.

15h50 16h10 A Agricultura Urbana e a Agroecologia - instrumentos para Segurança e Soberania Alimentar – Lúcia Helena Almeida, Fórum Itaboraí, Eng. Agrônoma, Mestre em Agricultura Orgânica (UFRRJ / Embrapa).

16h10 17h: Teses para a Conferência Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional COMSEA 2021- Felix Rosenberg.

 

Semana Nacional de Ciência e Tecnologia 2021 na Fiocruz

 

Fiocruz na SNCT: dezoito anos de história

Vanessa Brasil (Fiocruz) e Luiz Pistone (Fórum Itaboraí/Fiocruz) / Publicado em 04/10/2021

A Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT) é realizada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), anualmente, desde 2004. O evento acontece no mês de outubro em diversas instituições públicas e privadas de todo o país, incluindo universidades, museus, fundações de amparo à pesquisa, parques ambientais, jardins botânicos e zoológicos, secretarias estaduais e municipais, entre outras instituições. O objetivo da SNCT é mobilizar a população brasileira, em especial os jovens, para iniciativas científico-tecnológicas por meio de atividades gratuitas e abertas à comunidade.

A Fiocruz participa da Semana Nacional desde a sua criação, sempre buscando essa mobilização junto às comunidades parceiras das diferentes sedes da instituição. “A SNCT existe para isso, para irmos ao encontro da população, para falar de ciência e tecnologia com todos, para todos”, lembra Cristiani Machado, vice-presidente de Educação, Informação e Comunicação da Fiocruz.

Como programação da SNCT ao longo dos anos, a Fiocruz já contou com atividades das mais diversas, desde exposições a peças de teatro, de feiras de ciência a rodas de conversa. Em 2015, por exemplo, foi realizada a exposição “Vias do Coração” na Fiocruz Brasília em um formato compacto e acessível, inspirada em modelos de museus internacionais, que trazia conteúdo associado a jogos eletrônicos e outras atrações. Em 2017, o Instituto Gonçalo Moniz – Fiocruz Bahia – organizou oficinas com professores de Ciências para jovens do ensino médio e técnico sobre a temática “A Matemática está em tudo!”, tema da SNCT naquele ano.

A Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí intregrará a programação artística do evento com o Concerto para 4 violinos em D maior de Gerog P. Telemann, sob orientação da professora Jaqueline Moreira.

Programação completa e outras informações: http://snct.fiocruz.br/a-semana/

 

SNCT em tempos de pandemia

A última edição da Semana foi marcada pelas demandas da pandemia de Covid-19, o que ocasionou a produção de um evento totalmente on-line pela primeira vez. A programação ressaltou atividades relacionadas ao tema “Inteligência artificial: a nova fronteira da ciência brasileira”, porém, várias ações foram pautadas pela própria pandemia. Ou seja, na SNCT 2020 da Fiocruz, tivemos tanto debates sobre robótica como orientações sobre a Covid-19.

Para 2021, o formato virtual vai ser mantido e o evento será realizado durante o mês de outubro. O tema nacional da edição é “A transversalidade da ciência, tecnologia e inovações para o planeta”, justamente, levando em consideração o momento atual de enfrentamento à pandemia. Assim, a programação irá destacar a importância da transversalidade entre as áreas científicas no enfrentamento à Covid-19, na produção e distribuição de vacinas e na preservação do ambiente e promoção da saúde. Pretende-se, com isso, mostrar a necessidade de um diálogo amplo e diverso para a superação da pandemia.

Rodas de conversa: Olhares pela Agricultura Urbana 2021

Terceiro encontro online promovido pela Fiocruz em Petrópolis reunirá experiências de práticas de agricultura urbana em Petrópolis

Thaís Ferreira (Fórum Itaboraí / Fiocruz) / Publicado em 23/04/2021

Depois de promover conversas sobre “avanços e entraves para a promoção da saúde e da segurança alimentar” e, também, sobre “o marco legal e políticas públicas para agricultura urbana”, o terceiro encontro online das Rodas de Conversa - Olhares pela Agricultura Urbana discutirá iniciativas que mostram como tudo isso vem acontecendo, na prática, em Petrópolis. Promovido pelo o Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde, programa especial da presidência da Fiocruz em Petrópolis, o encontro acontece no próximo sábado, 24 de abril, de 9h30 às 11h30 e será transmitido pelo nosso canal no YouTube.

O objetivo das rodas de conversa é promover trocas de experiências no âmbito da agricultura urbana, por meio de debates virtuais sobre saúde, segurança alimentar, organização comunitária e direito à cidade. A iniciativa visa, ainda, proporcionar condições para ampliação das práticas da agricultura urbana nos territórios de Petrópolis, principalmente durante a pandemia da Covid-19. Dentre os convidados para o encontro deste sábado estão líderes comunitários, gestores públicos, profissionais do segmento e representantes da sociedade civil, que compartilharão ações em curso desenvolvidas pela Secretaria Municipal de Assistência Social, pelo Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional de Petrópolis e por comunidades petropolitanas em parceria com o Fórum Itaboraí. “Nossa ideia é dar mais visibilidade e conectar propostas e experiências que contribuem para reduzir as vulnerabilidades sociais geradoras de insegurança alimentar e de fragmentação comunitária agravadas pela pandemia”, explica a agrônoma Lucia Helena Almeida, da equipe do Programa de Biodiversidade, Saúde e Agroecologia do Fórum Itaboraí. “Será também um momento de interação entre entidades e grupos do nosso município que atuam com a temática, para que juntos possamos estabelecer uma agenda estratégica na direção de contribuir e efetivar a regulamentação da lei municipal que versa sobre a agricultura urbana”, acrescenta a agrônoma.

Na ocasião, o Fórum Itaboraí lançará, ainda, um cadastro simplificado para mapear práticas de agricultura em espaços urbanos da cidade (disponível aqui). O objetivo é ampliar o conhecimento sobre experiências com quintais socioprodutivos e hortas comunitárias no município e, ao mesmo tempo, estimular a formação de uma rede colaborativa para agricultura urbana, com base nos princípios da Agroecologia.

Em Petrópolis, o Fórum Itaboraí vem trabalhando em articulação com comunidades, tanto para trocas de conhecimento técnico em agricultura urbana – incluindo o cultivo propriamente e a gestão de resíduos orgânicos – quanto para o fortalecimento de laços comunitários, para o incremento da segurança nutricional e para a redução da vulnerabilidade socioambiental dos moradores dos territórios envolvidos.

Na roda de conversa estarão: - Rosane Cross, Secretária da Assistência Social de Petrópolis; Talita Berti, Presidente do Conselho Municipal de Segurança Alimentar, e Amilton Oliveira, líder comunitário da Primeiro de Maio/Madame Machado, em Itaipava. A mediação será de Claudemar Mattos. 

 

Cadastro simplificado de comunitários com práticas de agricultura em espaços urbanos de Petrópolis

Fórum Itaboraí pretende ampliar ações de apoio aos quintais sócios produtivos e às hortas comunitárias e estimular a formação de uma rede colaborativa para a prática de agricultura urbana, com base nos princípios da Agroecologia

Publicado em 22/04/2021

Você planta alguma coisa no seu quintal ou numa horta na sua comunidade?

Com a pandemia de COVID-19, os problemas de subnutrição cresceram e ficaram mais evidentes. Pudemos constatar também maior dificuldade de parte da população para acessar medicamentos, principalmente os de uso continuado. O distanciamento social, que, já sabemos, ajuda a reduzir o contágio pelo coronavírus, é muitas vezes inviável em muitas famílias, principalmente aquelas que vivem em comunidades e periferias das cidades. Ou seja, as dificuldades econômicas, agora reforçadas pela pandemia, aumentaram muito os problemas e dilemas de boa parte da população brasileira, principalmente pela falta de um programa eficaz de auxilio emergencial, tanto para as famílias quanto para os pequenos comerciantes.

Por isso, a agricultura familiar urbana e nas periferias das cidades surge como uma das principais respostas para a sobrevivência em tempos de pandemia. E não só isso: é também um verdadeiro instrumento de transformação comunitária!

Porque além de encarar de frente a subnutrição, a produção urbana e periurbana de alimentos e de plantas medicinais tem diversos outros benefícios:

* promove uma alimentação mais saudável;

* reduz os custos tanto com a compra de alimentos quanto de medicamentos comerciais (muitas vezes não realmente necessários);

* fortalece os laços familiares;

* ajuda a preservar o meio ambiente;

* permite fortalecer os vínculos de solidariedade comunitária.

O Fórum Itaboraí: Política Ciência e Cultura na Saúde, um programa da presidência da Fiocruz em Petrópolis, vem trabalhando já faz algum tempo em temas e práticas relacionadas à Agricultura Urbana com algumas comunidades petropolitanas. No meio dessa pandemia, está realizando um cadastro para conhecer as práticas agroecológicas em espaços urbanos no município – tanto as que envolvem o cultivo de alimentos como as de plantas medicinais.

Com as informações levantadas neste cadastro, o Fórum Itaboraí pretende ampliar as suas ações de apoio aos quintais sócios produtivos e às hortas comunitárias. Ao mesmo tempo vai estimular a formação de uma rede colaborativa para a prática de agricultura urbana, com base nos princípios da Agroecologia.

Clique aqui para se cadastrar!

As informações disponibilizadas serão utilizadas exclusivamente por nossa equipe para a finalidade informada. Seus dados pessoais não serão compartilhados com outras pessoas, projetos ou instituições.

SUA RESPOSTA SERÁ DE EXTREMA IMPORTÂNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA URBANA EM PETRÓPOLIS!

 

Rodas de conversa: Olhares pela Agricultura Urbana 2021

Segundo encontro online promovido pelo Fórum Itaboraí debaterá políticas públicas e legislação para o segmento.

Thaís Ferreira (Fórum Itaboraí / Fiocruz)Publicado em 26/03/2021

O marco legal e políticas públicas para agricultura urbana serão os temas debatidos no segundo encontro online que integra as Rodas de Conversa - Olhares pela agricultura urbana, no próximo sábado, 27 de março, de 9h30 às 12h. Promovido pelo o Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde, programa especial da presidência da Fiocruz em Petrópolis, o encontro será transmitido pelo canal da instituição no YouTube

O objetivo das rodas de conversa é proporcionar trocas de experiências no âmbito da agricultura urbana, promovendo o debate sobre saúde, segurança alimentar, organização comunitária e direito à cidade. A iniciativa visa, também, proporcionar condições para ampliação das práticas da agricultura urbana nos territórios de Petrópolis. Dentre os convidados para o encontro deste sábado estão gestores públicos, parlamentares e representantes da sociedade civil, que debaterão sobre legislação para o segmento e iniciativas bem-sucedidas que envolvem a gestão pública para a prática da agroecologia em espaços urbanos.  

Segundo o agrônomo Claudemar Mattos, da equipe do Fórum Itaboraí/Fiocruz-Petrópolis e membro da Articulação de Agroecologia do Rio de Janeiro (AARJ), debates como esse têm também a função de ampliar as perspectivas e os campos de articulação de pessoas interessadas em desenvolver quintais produtivos e hortas comunitárias.  “Além do apoio da Fiocruz e de outras instituições da sociedade civil engajadas em agricultura urbana, as pessoas começam a vislumbrar que podem contar também com um aparato legal e público para apoiar as iniciativas de cultivo nos espaços urbanos”, destaca o agrônomo, ressaltando, ainda, a oportunidade de desdobramentos. “Com o olhar de política pública, essa agricultura urbana que já vem ganhando espaço nos territórios fortalecendo a segurança alimentar, as práticas comunitárias e o estímulo da lida com a terra, proporcionando melhor conhecimento sobre os alimentos e as plantas medicinais, pode se desdobrar em outras ações com impacto positivo. Refiro-me à contenção de encostas, ocupação de terrenos baldios, implantação e aprimoramento da gestão de resíduos comunitários, feiras nos bairros, suprimento de alimentos para pequenas organizações comunitárias, entre outras. E, no médio e longo prazos, pode, também, oportunizar a geração de renda, tanto a direta como a que a gente chama de não monetária, quando envolve o autoconsumo”, explica Claudemar. 

O Fórum Itaboraí vem trabalhando em articulação com 10 comunidades petropolitanas, tanto para trocas de conhecimento técnico em agricultura urbana – incluindo o cultivo propriamente e a gestão de resíduos orgânicos – quanto para o fortalecimento de laços comunitários, para o incremento da segurança nutricional e para a redução da vulnerabilidade socioambiental dos moradores dos territórios envolvidos. “Na vila Frei Davi, na comunidade do Amazonas, por exemplo, esta experiência já aponta para mais de três toneladas de resíduos domésticos que deixaram de ir para o aterro sanitário, porque foram compostados pelos moradores”, celebra Claudemar. 

Na roda de conversa estarão: Daniela Adil, da Secretaria Municipal de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania – SMASAC, da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte; Bernadete Montesano, da Rede Carioca de Agricultura Urbana; Flávio Serafini – Deputado Estadual Representante da Frente Parlamentar em Defesa da Agroecologia do Estado do Rio de Janeiro; e Maurinho Branco – Vereador de Petrópolis, proponente da Lei Municipal 8049/2020. 

 

Fórum Itaboraí e Fiocruz Mata Atlântica promovem discussão sobre o direito à cidade em Comunidades de Petrópolis

 

Evento online reforça protagonismo de quem vive em periferias na construção de um plano de desenvolvimento urbano local

Thaís Ferreira (Fórum Itaboraí / Fiocruz) em colaboração com Elisandra Galvão (Fiocruz Mata Atlântica) / Publicado em 18/03/2021 14h43

No próximo sábado (20), das 9h às 12h, o Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde e o Programa de Desenvolvimento do Campus Fiocruz Mata Atlântica, ambos programas da presidência da Fiocruz, promoverão um encontro online para discutir o direito à cidade. Um tema amplo e com diversas facetas, que será abordado no contexto de duas comunidades de Petrópolis: Amazonas, no bairro Quitandinha, e Vila Rica, em Pedro do Rio. Com o título Direito à cidade: construindo um Plano de Desenvolvimento Urbano Local para Territórios Saudáveis, o encontro reunirá especialistas na temática, representantes de movimentos sociais e também pessoas que exercem papel de liderança nessas comunidades. O evento será transmitido pelo YouTube do Fórum Itaboraí (https://youtu.be/qBxAkKDdpf0) e a programação pode ser conferida abaixo.

Segundo o Diretor do Fórum Itaboraí, Felix Rosenberg, a iniciativa nasce com o propósito de ser um ciclo de encontros para debater o direito à cidade e a sua relação com a saúde, nas perspectivas de diferentes territórios petropolitanos do centro e da periferia. Territórios estes, que, desde 2017, vêm sendo mapeados pelas equipes do Fórum Itaboraí e da Secretaria Municipal de Saúde, com a participação de moradores das comunidades envolvidas. Denominado “Diagnóstico Rápido Participativo – DRP”, o trabalho possibilitou um retrato social dos territórios participantes a partir de diferentes visões e, desde então, vem subsidiando projetos e iniciativas de redução das desigualdades e de promoção da saúde nessas comunidades. De acordo com Rosenberg, o evento de sábado será uma primeira experiência “com o protagonismo da comunidade reconhecendo suas principais fragilidades e potencialidades, para que, com apoio de assessoramento profissional, possa elaborar projetos de transformação territorial local”, explica o diretor, ressaltando que, se bem sucedidos nessas comunidades, os eventos poderão despertar o interesse em outras de semelhantes condições de fragilidade urbana e social.

Para o coordenador do Programa de Desenvolvimento do Campus Fiocruz Mata Atlântica, Gilson Antunes, essa é uma oportunidade de ambas as unidades aprofundarem laços de complementariedade e o compartilhamento de aprendizados das experiências que desenvolvem. “Juntas, assumimos a missão explícita ou implícita de reduzir desigualdades sociais como determinantes das iniquidades em saúde e desenvolveremos projetos que respondam a princípios e pressupostos da promoção da saúde, incluindo a necessidade de fortalecimento do SUS e de acesso ao direito à cidade e à moradia digna em territórios vulneráveis”, conclui o coordenador.

 

Programação:

  • 9h às 10h | Mesa 1 | Direito à cidade 

    Rosangela Cavallazzi (UFRJ/PUC/Faperj) 

    Evaniza Rodrigues (liderança da União Nacional do Movimento por Moradia)  

  • 10h – Mesa 2 | A visão da realidade comunitária em experiências locais 

    Sergio Hammes (Comunidade de Amazonas) 

    Gisele Medeiros (Comunidade de Vila Rica)  

    11h |  Mesa 3 |  Metodologia para definição de planos locais 

    Sonia Carvalho (assistente social da equipe do Fórum Itaboraí)   

    Grazia de Grazia (consultora a movimentos populares e responsável por papéis importantes assumidos no Plano diretor e no Plano municipal de Habitação de Interesse Social do Rio de Janeiro) 

Seleção de profissional de cooperação social do Fórum Itaboraí: aprovados para a fase de entrevistas

Divulgação do resultado da primeira fase e convocação dos aprovados para entrevistas no dia 05 de março

Publicado em 02/03/2021 15h59

O Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde agradece a participação e interesse de todos os candidatos e torna público o resultado da primeira etapa do Processo Seletivo de profissional para atuar nos projetos de cooperação social.

Os candidatos e as candidatas aprovados na primeira fase participarão da segunda etapa da seleção nesta sexta-feira, 05 de março, a partir das 14h, conforme cronograma abaixo:

Douglas Henrique - 14h00

Lucas Conde - 14h20

Bárbara Lopes - 14h40

Lorena Lira - 15h00

Eurico Yogi - 15h20

Lucia Helena - 15h40

Mahmoud Raslan - 16h00

Marília Cuccolichio - 16h20

Nina Pinheiro - 16h40

Thiago Alvez - 17h00

Todas as entrevistas serão realizadas pela plataforma Zoom. O link da reunião será enviado por email aos candidatos aprovados.

Aos demais candidatos e candidatas agradecemos pela participação e informamos que os respectivos currículos serão arquivados no banco do Fórum Itaboraí para outras oportunidades!

 

 

Fórum Itaboraí procura profissional para atuar com projetos de cooperação social

A ênfase do trabalho será a perspectiva agroecológica, incluindo os trabalhos para a implantação, acompanhamento e monitoramento sócio técnico de quintais sócio produtivos e a  transição agroecológica em comunidades remanescentes quilombolas e em agricultores familiares de base camponesa.

Publicado em 22/02/2021 / Atualizado em 25/03/2021

No dia 22 de fevereiro foi iniciado o período de inscrição para a seleção de profissional para atuar nos projetos de cooperação social do Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde, programa especial da presidência da Fiocruz em Petrópolis/RJ. A vaga é destinada a profissionais graduados em ciências sociais, geografia, agronomia, biologia, urbanismo e outras afins. É desejável ter experiência comprovada de trabalho em comunidades rurais e urbanas. A carga horária é de 40 horas semanais e o contrato de trabalho tem duração de 24 meses.

Os interessados deverão encaminhar currículo e carta de intenção, até o dia 25 de fevereiro, para o e-mail forumitaborai@fiocruz.br  – colocar no assunto “SELEÇÃO ASSESSORIA”.

Além da análise da documentação, o processo seletivo para esta vaga prevê entrevista a ser realizada no dia 05 de março. O resultado final será divulgado no dia 08 de março.

Clique aqui para acessar o termo de referência*, com todas as informações detalhadas sobre a vaga e sobre o processo seletivo.

*ERRATAS do termo de referência:

1) As entrevistas individuais e divulgação do resultado final serão realizadas, respectivamente, nos dias 05 e 08 de março e não nos dias 04 e 05 de março, conforme cronograma do documento.

2) A remuneração seguirá a tabela Fiotec segundo tempo de experiência e não segundo formação acadêmica, conforme descrito no documento. 

Mapas de calor elaborados pela Fiocruz-Petrópolis serão usados pela Prefeitura para monitorar evolução da Covid-19 no município

Método usa a cartografia participativa e envolve unidades básicas de saúde

Texto: Thaís Ferreira (Fórum Itaboraí / Fiocruz) em colaboração com a ASCOM PMP /  Foto: ASCOM PMP

O Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde, programa especial da Presidência da Fiocruz em Petrópolis, e a Prefeitura Municipal de Petrópolis atuarão de forma integrada para ampliar o monitoramento da Covid-19 na cidade. O alinhamento foi objeto de um encontro, realizado na última quarta–feira (10/02), entre o Diretor do Fórum, Felix Rosenberg, e o Secretário Municipal de Saúde, Aloísio Barbosa da Silva Filho, juntamente com suas equipes. A intenção é envolver os profissionais da Atenção Básica que atuam nas comunidades com a Estratégia de Saúde da Família – ESF, incorporando a perspectiva dos territórios no monitoramento da incidência da doença no município. O método, desenvolvido pela Fiocruz-Petrópolis, usa a cartografia participativa e tem como objetivo traçar estratégias e avaliar medidas de prevenção e controle baseadas nos resultados obtidos com o uso da ferramenta – que permitirá mapear quase metade da população da cidade.

Para o secretário de Saúde, Aloisio Barbosa da Silva Filho, a cartografia participativa desenvolvida pela Fiocruz será fundamental para a tomada de decisões. “A ferramenta gera mapas cartográficos de calor que indicam as áreas de maior incidência da doença e como este trânsito acontece entre os bairros. É uma excelente forma de analisarmos o avanço da covid-19”, avaliou.

 “O principal objetivo deste sistema geográfico é permitir avaliar a gravidade para discutir estratégias e alertar a população sobre a presença da doença. O sistema funciona como um sinal de alerta que permite uma ação rápida para bloquear a contaminação e proteger os indivíduos”, explicou o diretor do Fórum Itaboraí, Felix Rosenberg.    

Segundo Rosenberg, a cartografia participativa consiste na aquisição de dados sobre os territórios, oriundos do departamento de Vigilância em Saúde e também a partir da visão de quem vive e trabalha nestes locais, principalmente os agentes comunitários de saúde. O trabalho foi iniciado em 2017 em oito áreas prioritárias, dando origem aos mapas territoriais, ricos em detalhes e agora serão ampliados para todas as unidades da Atenção Básica com Estratégia Saúde da Família. O método faz uma micro vigilância que envolve a população e estimula a corresponsabilidade no enfrentamento da doença.

Fórum Itaboraí recebe visita do prefeito em exercício de Petrópolis

Texto: Thaís Ferreira (Fórum Itaboraí / Fiocruz) /  Foto: Luiz Pistone (Fórum Itaboraí / Fiocruz)

Na última quinta-feira (07/01), em sua primeira semana à frente do executivo municipal, o prefeito interino de Petrópolis, Hingo Hammes, fez uma visita de cortesia e aproximação ao Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde, unidade da Fiocruz em Petrópolis, representado pelo seu diretor Felix Rosenberg.

O objetivo foi ampliar, fortalecer e garantir os vínculos institucionais existentes entre Fiocruz e Prefeitura Municipal e Petrópolis – PMP, estabelecidos desde outubro de 2011, quando o Fórum Itaboraí se instituiu formalmente em Petrópolis. Desde então, a PMP e a Fiocruz-Petrópolis são parceiras em diversos programas e projetos que envolvem a promoção integral da saúde no município, desencadeando a intersetorialidade com e entre diversas pastas da gestão pública municipal, dentre elas a Saúde, a Agricultura, o Planejamento, a Habitação, o Desenvolvimento Econômico, a Defesa Civil, a Cultura, a Educação, a Assistência Social e o Meio Ambiente. Na carteira das iniciativas, têm destaque: o programa de Territórios Sustentáveis e Saudáveis (2011); o Arranjo Produtivo Local de Plantas Medicinais – APL (2012-2019), com o Ministério da Saúde; o PAC-Estrada da Saudade (2013), com o Ministério das Cidades e a Caixa Econômica Federal; o projeto GIDES-JICA de cooperação entre Brasil e Japão na área de desastres socioambientais (2013-2017); o Diagnóstico Rápido Participativo – DRP e diversas ações de desdobramento para a promoção de saúde nos territórios, envolvendo as equipes de Estratégia da Saúde da Família e da assistência social (desde 2017); a implantação dos fóruns comunitários e Conselhos Locais de Saúde (desde 2018); os cursos de Educação Popular em Saúde (EduPopSUS), com a Escola Politécnica de Saúde – EPSJV (desde 2017), e de Especialização em Saúde Urbana, com a Escola Nacional de Saúde Pública - ENSP (desde 2018); a Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí - OCPIT, com apresentação de concertos em escolas públicas municipais e integrando a programação cultural oficial de fim de ano da cidade (desde 2012); e, mais recentemente, o monitoramento cartográfico participativo da Covid-19.

“São muitos projetos interessantes e tenho certeza que podemos aproveitar de maneira mais intensa essa parceria com essa instituição renomada no país. A Fiocruz pode nos ajudar de forma expressiva em questões como o mapeamento e combate à Covid-19 no município, já em curso, mas que podemos melhorar a interface entre os órgãos, para que o trabalho seja eficiente na ponta, para os que mais precisam”, afirmou o prefeito interino. Hammes também anunciou que a relação entre as partes será intensificada e, para tanto, nomeará uma pessoa do seu governo para gerir a relação Fiocruz-PMP e fazer a articulação intersetorial por dentro da gestão pública municipal.

Para Felix Rosenberg, diretor do Fórum Itaboraí, a prefeitura é o maior parceiro da instituição. “Precisamos estreitar permanentemente e fomentar esta relação institucional de quase 10 anos. Quem ganha é o cidadão, porque trabalhamos com a promoção da saúde nos territórios, nas comunidades, particularmente naquelas mais expostas à fragilidade social. Com a decisão conjunta de estarmos ainda mais próximos, teremos resultados cada vez de maior impacto para a saúde pública e o bem-estar social do Município”, celebrou o diretor.

Páginas