Fórum Itaboraí promove seminário sobre transição agroecológica

Seminário aborda caminhos para a transição agroecológica como estratégia para a promoção da saúde em Petrópolis

Aline Rickley (Fórum Itaboraí / Fiocruz) / Publicado em 11/12/2022

Os caminhos para a transição agroecológica como estratégia para a promoção da saúde em Petrópolis foram discutidos durante um seminário no Fórum Itaboraí, nos dias 28 e 29 de junho. Durante o encontro, um dos objetivos propostos foi de colher e compartilhar elementos que possam contribuir para a formulação de um projeto para esta transição, que deverá ser desenvolvido entre os anos de 2022 e 2023.
O seminário de estudo foi promovido e organizado pelo Fórum Itaboraí e pela Vice-presidência de Ambiente, Atenção e Promoção da Saúde (VPAAPS) da Fiocruz, em diálogos com a Embrapa Agrobiologia. A ideia é que seja reformulado o projeto territorial Fórum Itaboraí “Fortalecimento da Agricultura de base Agroecológica em Petrópolis e entorno”.
Entre os objetivos tratados no seminário estão o de aprofundar conhecimentos sobre a realidade da agricultura familiar em Petrópolis; reconhecer processos históricos-territoriais de esforços para a transição agroecológica na cidade, identificar quais são os desafios atuais para a transição agroecológica - levando em consideração os diversos impactos na saúde das populações; além de problematizar e sistematizar uma compreensão sobre o que é transição agroecológica e quais são as estratégias para que ela ocorra.
Durante o seminário, foram pontuados alguns dos desafios a serem enfrentados, como o fato de, em muitos casos, a transição agroecológica estar condicionada à distribuição fundiária, visto que na região é significativa a quantidade de minifúndios contíguos, o que reduz a área útil para o cultivo e limita a implantação de barreiras vivas como contenções de derivações de agrotóxicos entre uma propriedade e outra.
Também foram sinalizadas as dificuldades para garantir fontes de irrigação sem contaminação e, por terem dimensões muito abaixo do módulo fiscal, há também o desafio da regularização destas áreas. Outro desafio apontado no encontro foi com relação as condições de trabalho já que elas geralmente são formadas por meeiros/parceiros/arrendatários, o que acaba limitando como este agricultor organiza a sua produção, dificultando um planejamento de longo prazo.
Ainda foi citado como empecilho o fato de que, em muitos casos, não é interesse do proprietário da terra um manejo sustentável. Na ocasião, outro desafio sinalizado foi o de criar laços de confiança e diálogo com os envolvidos.
Apesar de serem muitos desafios, o encontro também reuniu uma série de potencialidades para que a transição ocorra, como o estímulo à identidade local de produção, a proximidade geográfica das áreas de produção com as potenciais áreas de consumo, a vocação turística sendo aproveitada para o turismo rural dentro da perspectiva agroecológica e a existência de Unidades de Conservação ao redor dos polos agrícolas.
Outros pontos citados como positivos foram: o modelo replicável de agricultura orgânica/agroecológica, a valorização do processo de organização associativista, a diversificação de mercados e a constituição de redes e espaços com diferentes atores para realização de práticas e encontros para socialização de saberes.
Ao final do seminário foram estabelecidas as principais linhas de atuação para que a transição agroecológica se torne uma realidade no município. São elas: ações de fortalecimento de transição agroecológica no Brejal e Bonfim, ações de fortalecimento de redes de agroecologia na região serrana e ações de combate à fome.
Além de profissionais do Fórum Itaboraí, da VPAAPS e da Embrapa, também participaram do seminário integrantes da Associação Agroecológica de Teresópolis (AAT), da Associação de Agricultores Biológicos do Rio de Janeiro (Abio), da Rede Bonfim Mais Verde, do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), da gestão do Parque Nacional da Serra dos Órgãos (Parnaso) e do curso de Pós Graduação da UFRRJ em Desenvolvimento, Sociedade e Agricultura (CPDA).
 
 

Fiocruz publica editais para estágio obrigatório e não obrigatório

Fórum Itaboraí oferece 4 vagas no total.

Publicado em 20/06/2022

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) atualizou, no dia 15 de junho de 2022, os editais com oferta de vagas de estágio obrigatório e não obrigatório na instituição. Os editais têm fluxo contínuo e seu prazo de validade termina em 31 de dezembro de 2022. O quadro de vagas será atualizado mensalmente ao longo do ano. A Fiocruz estima publicar outro edital, com vagas para estágio obrigatório, em breve. 
 
O processo seletivo conta com três etapas: 1) análise de pré-requisitos, 2) análise curricular e documental e 3) entrevista, provas e/ou dinâmicas de grupos. Os estudantes aprovados dentro do número de vagas serão convocados pelo agente integrador para procedimentos admissionais. Somente iniciam o estágio após envio da documentação completa e os termos assinados por todas as partes. 
 
Vagas oferecidas pelo Fórum Itaboraí
O Fórum Itaboraí, em Petrópolis, disponibiliza 4 vagas sendo 3 para estágio não obrigatório e 1 para estágio obrigatório, conforme descrito abaixo:
 
NÃO OBRIGATÓRIO 1 - 2 vagas
Público: Estudantes de Ciências Biológicas que estejam entre o 3º e o 6º período e que tenham CR mínimo de 7,0
Carga horária semanal: 20h, manhã ou tarde
Local: Palácio Itaboraí, Petrópolis/RJ
Atividades: Apoiar atividades de rotina para manutenção do Acervo Vivo do Horto-escola do Programa Biodiversidade, Agroecologia e Saúde; fazer vistorias semanais nas especies que estão dispostas pela Trilha do Arboreto; coletar ramos floridos e/ou frutos para confecção de exsicatas; coleta e beneficiamento de frutos para guarda no Banco Ativo de Germoplasma/BAG ex-situ; fazer testes de viabildades com as sementes do BAG ex-situ; prepararar mudas com plântulas provinentes da Casa de vegetação; apresentar relatórios bimensais de todas as atividades; participação eventos e atividades do Programa; fazer visitas guiadas pela Trilha do Arboreto quando houver solicitações agendadas e /ou visitantes exporádicos que visitam o Palácio Itaboraí.
Requisitos Específicos: Pacote Office e boa comunicação Escrita e Verbal
Formato de Seleção: Entrevista
Período de Inscrição:  a partir de 15 de junho
Edital, inscrições, valores de bolsa e outras informações: clique aqui
 
NÃO OBRIGATÓRIO 2 - 1 vaga
Público: Estudantes de Ciência da Informação ou Biblioteconomia que estejam entre o 3º e o 6º período e que tenham CR mínimo de 7,0
Carga horária semanal: 20h, manhã ou tarde
Local: Palácio Itaboraí, Petrópolis/RJ
Atividades: Apoiar atividades de processamento técnico do acervo nos sistemas internos da instituição; colaborar com a organização do acervo físico e digital; participar do planejamento e organização de eventos e atividades da biblioteca.
Requisitos Específicos: Pacote Office e boa comunicação Escrita e Verbal
Formato de Seleção: Entrevista
Período de Inscrição: a partir de 15 de junho
Edital, inscrições, valores de bolsa e outras informações: clique aqui
 
OBRIGATÓRIO - 1 vaga
Público: Estudantes de Ciências Biológicas dos 7º e 8º períodos com CR mínimo de 7,0
Carga horária semanal: 20h, manhã ou tarde
Local: Palácio Itaboraí, Petrópolis/RJ
Atividades: Fazer todas as atividades relativas ao início da cadeia produtiva das plantas medicinais: identificação de espécies, coleta e tombamento de exsicatas; manutenção do BAG ex-situ de sementes; teste de viabilidades com sementes na casa de vegetação; preparo de mudas no viveiro e beneficiamento primário de matéria prima vegetal, da coleta até a confecção de droga vegetal para consumo.
Requisitos Específicos: Pacote Office e boa comunicação Escrita e Verbal
Formato de Seleção: Entrevista
Período de Inscrição: a partir de 15 de junho
Edital, inscrições e outras informações: clique aqui

 

Novo processo seletivo para o projeto Rede Vigiar-SUS no Enfrentamento da Covid-19

Vagas são destinadas aos profissionais da saúde e da assistência social com disponibilidade para trabalhar em Petrópolis-RJ

As 27 vagas, com preenchimento imediato, são destinadas a sete perfis profissionais:
Assistente social - equipe psicossocial (uma vaga);
Assistente social - equipes volantes (quatro vagas);
Enfermeiro - equipes volantes (oito vagas);
Psicólogo - equipe psicossocial (uma vaga);
Psicólogo - equipes volantes (quatro vagas);
Psiquiatra - equipe psicossocial (uma vaga);
Técnico em enfermagem - equipes volantes (oito vagas)
 
O prazo para cadastro de currículos vai até 19 de junho de 2022.
 

 

Processo Seletivo para novas vagas da Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí

 

A Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí

Em funcionamento desde fevereiro de 2013, a Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí é um Projeto Sócio – Cultural gratuito de formação de orquestra composto por um conjunto de aulas de teoria e harmonia, prática orquestral e instrumento. O Ciclo Básico do curso tem duração de 3 anos e conta com aulas três vezes por semana no período da tarde. Para aqueles estudantes que pretendem fazer nível superior em música, o projeto desenvolve um trabalho de preparação para o Teste de Habilidade Específica (THE), exigido junto ao Enem nas Universidades Públicas. Clique aqui para ver o documentário sobre a Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí, produzido entre 2016 e 2017.

 

Processo Seletivo 2022: Novas vagas

Destinado a estudantes matriculados na rede pública de ensino que estejam cursando prioritariamente entre o 8° ano do ensino fundamental e o 1° ano do ensino médio, o processo seletivo para novas vagas 2022 irá selecionar um total de 09 novos alunos para os seguintes instrumentos: violino, viola de arco, contrabaixo acústico e flauta transversal. A seleção ocorrerá no dia 04 de junho, no Palácio Itaboraí.

Nenhum teste de teoria musical será exigido e candidatos que não possuem instrumentos poderão participar da seleção normalmente.

 

Inscrições

As inscrições poderão ser feitas até o dia 03 de junho, de segunda a sexta-feira, de 08h às 17h, através do WhatsApp (24) 2246-1430 ou na recepção do Palácio Itaboraí localizado na Rua Visconde de Itaboraí, 188, no Valparaíso em Petrópolis.

Não realizaremos inscrições por e-mail.

 

Para agilizar o processo de inscrição, tenha em mãos as seguintes informações:

1-Nome completo e idade do candidato

2-Endereço

3-Bairro

4-Nome da Instituição de Ensino

5-Escolaridade (ano cursado em 2022)

6-Telefone Fixo

7-Telefone Celular

8-Já sabe tocar algum Instrumento?  Qual?

9- Para qual instrumento deseja se candidatar?

 

Para candidatos com menos de 18 anos também devem ser informados os seguintes dados:

1-Nome completo do responsável

2-Telefone celular do responsável 

3-Profissão do responsável

 

Projeto de conclusão do curso FALA TU tem Justiça Ambiental como tema

Campanha “Reflorescer Petrópolis”  foi desenvolvidada pelos alunos do FALA TU, curso de comunicação comunitária realizado pelo Fórum Itaboraí em parceria com o Observatório de Favelas

Thaís Ferreira e Luiz Pistone (Fórum Itaboraí/Fiocruz)

No último sábado (14), foi aberta a exposição Reflorescer Petrópolis - responsabilidade ambiental é um dever de todos, no Palácio Itaboraí, sede do Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde, unidade da Fiocruz em Petrópolis. A mostra faz parte da campanha de comunicação co-criada por lideranças comunitárias petropolitanas que participaram do Fala Tu - curso de formação em comunicação comunitária, promovido pelo Fórum Itaboraí, em parceria com a instituição carioca Observatório de Favelas. A campanha tem o objetivo de fomentar o debate e conscientizar os moradores de Petrópolis sobre a importância de atuar no presente em prol da Justiça Ambiental. A exposição reúne banners com mensagens e chamados para a ação coletiva e vídeos que retratam depoimentos de moradores dos cinco distritos petropolitanos sobre como contribuem com o desenvolvimento sustentável. A mostra itinerante tem entrada franca e ficará no Palácio Itaboraí até 28 de maio, quando seguirá para algumas comunidades do município. O grupo também criou perfis em redes sociais para divulgar a campanha: instagram.com/falatu e youtube.com/channel/UCtz6eauFgDloLOyFx4JpXeQ

 

Segundo o diretor do Fórum Itaboraí, Felix Rosenberg, a comunicação produzida e difundida a partir dos territórios é fundamental para o exercício da participação social. “Ao promover essa formação em comunicação crítica para lideranças comunitárias de Petrópolis partimos do pressuposto que a comunicação é um campo não apenas de estudo e prática, mas de direito. “Nosso objetivo é apoiar essas pessoas e suas organizações coletivas na condição de protagonistas na construção de narrativas e também no acesso aos meios de difusão de conteúdos”, complementa Rosenberg. Criado em 2011, como um programa especial da presidência da Fiocruz em Petrópolis, o Fórum Itaboraí atua na formulação de políticas e práticas tendentes a reduzir as desigualdades sociais na saúde. Dentre as atividades, estão ações inter e transetoriais junto a diversas comunidades de Petrópolis, fomentando a participação social e o desenvolvimento e aplicação de tecnologias sociais nos territórios. 

 

Fala Tu

Fala Tu - curso de formação em comunicação comunitária foi realizado de janeiro a maio de 2022, reunindo 12 lideranças comunitárias atuantes em todos os distritos de Petrópolis, com 22 encontros online e presenciais, em um total de 54 horas de conteúdos teóricos e práticos, sob a liderança pedagógica do Observatório de Favelas (OF) - uma organização social que atua há 20 anos, dedicada à produção de conhecimento e metodologias visando incidir em políticas públicas sobre as favelas e promover o direito à cidade. Priscila Rodrigues, coordenadora de Comunicação do OF ressalta que ao se propor um espaço de construção coletiva, o início é conhecido, porém o resultado final é fruto da participação, engajamento e desejos dessa multiplicidade. “O percurso não foi simples, atravessamos juntos momentos difíceis [inclusive durante a tragédia socioambiental que viveu Petrópolis]. Mas começamos com um curso e saímos com um grupo. Um grupo forte, potente, sensível e com muita vontade de disputar uma comunicação de base comunitária e crítica em Petrópolis”, celebra Priscila.

 

Maria Luiza Tavares é agente comunitária de saúde no bairro Amazonas, no Quitandinha, e uma das 12 lideranças comunitárias que receberá, também neste sábado (14), o certificado de conclusão do curso de formação em comunicação comunitária. “Os conteúdos que aprendi vão me ajudar muito no meu trabalho de sensibilização por um ambiente mais limpo, mais saudável e sustentável, que faço com as pessoas que frequentam o posto de saúde e as escolas do Amazonas. Além disso, participar do Fala Tu me possibilitou conhecer pessoas com diversos tipos de conhecimento, tanto os professores quanto pessoas de outros territórios de nossa cidade. Um espaço muito interessante para aprimorar meus conhecimentos e ações”, conta Maria Luiza, que diz esperar que haja mais cursos como esse.

 

Semana do Alimento Orgânico: Orgânico ou Agroecológico?

Evento sobre alimentação orgânica e agroecológica será realizado nos dias 20 e 21 de maio.

Thaís Ferreira e Luiz Pistone (Fórum Itaboraí/Fiocruz)Publicado em 12/05/2022

Nos dias 20 e 21 de maio, o Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde abre suas portas para as atividades presenciais e gratuitas da Semana do Alimento Orgânico - Orgânico ou Agroecológico?A iniciativa integra um movimento nacional, que acontece todo ano na última semana de maio, motivada pela Coordenação de Agroecologia do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. O objetivo é oferecer informações sobre produtos orgânicos, onde encontrá-los e como são produzidos, além de divulgar e discutir com a população os benefícios ambientais, sociais e nutricionais desses alimentos.

 

Durante os dois dias de evento acontecerão rodas de conversa, oficinas de compostagem e de horta suspensa, plantio de hortaliças, visita às caixas de abelhas sem ferrão e feira para exposição e venda de alimentos agroecológicos e artesanatos, oriundos de produtores e agricultores agroecológicos do quilombo da Boa Esperança (de Areal), Rede Bonfim Mais Verde, Brejal, Rocio e Secretário.

 

No Fórum Itaboraí, a iniciativa é liderada pela equipe do Programa de Biodiversidade, Agroecologia e Saúde da instituição, que agregou ao título do evento a pergunta: “Orgânico ou Agroecológico?”, com o objetivo de propor reflexão e discussão mais amplas sobre sistemas de plantio e relações humanas e ambientais na agricultura urbana. Segundo Lilia Gomes, farmacêutica e membro da equipe do Fórum, a proposta é que os saberes circulem durante o evento, não apenas com as atividades programadas, mas que possam estar também nas conversas entre visitantes e expositores. “Por isso organizamos a feira. No nosso entendimento, feira não é apenas um espaço comercial, de compra e venda, mas, sobretudo, de trocas, de curiosidades, de compartilhamento de experiências, dicas, dúvidas e até de compartilhamento de receitas!”, destaca Lilia. 

 

Além da programação da Semana do Alimento Orgânico, quem estiver no Fórum Itaboraí poderá aproveitar e visitar a exposição Reflorescer Petrópolis - responsabilidade ambiental é um dever de todos, co-criada por lideranças comunitárias petropolitanas que participaram do Fala Tu - curso de formação em comunicação comunitária, promovido pelo Fórum Itaboraí, em parceria com a instituição carioca Observatório de Favelas.

 

Resumo da Programação: Atividade permanente (sexta e sábado, de 09h às 16h): Exposição Agroecológica com feira de alimentos agroecológicos e artesanatos.

Dia 20/05 (sexta-feira) MANHÃ

9h - Abertura do Evento

9h15- Plantio de hortaliças e visita às caixas de abelhas

10h30 - Oficina sobre compostagem

Dia 20/05 (sexta-feira) TARDE

13h30 - Oficina sobre compostagem

14h- Plantio de hortaliças e visita às caixas de abelhas

Dia 21/05/2022 (Sábado) MANHÃ

10h30 - Roda de conversa – “O Olho do Consumidor: alimentação saudável”

Dia 21/05/2022 (Sábado) TARDE 14h30 - Oficina de horta suspensa

 
Fotos: Luiz Pistone (Fórum Itaboraí)

 

 

 

Fórum Itaboraí firma nova parceria com a Secretaria Municipal de Saúde de Petrópolis

Colaboração entre o programa da presidência da Fiocruz em Petrópolis e a Prefeitura local tem o objetivo de complementar e fortalecer a capacidade dos serviços de atenção primária em saúde e de monitoramento da população atingida pelos desastres socioambientais que abateram a cidade nos dias 15 de fevereiro e 20 de março últimos.

Thaís Ferreira e Luiz Pistone (Fórum Itaboraí/Fiocruz) em colaboração com ASCOM (PMP)Publicado em 31/03/2022

Quatro equipes volantes de atenção primária e uma de atenção psicossocial, incluindo médico de família, psiquiatra, enfermeiros, técnicos de enfermagem, psicólogos e assistentes sociais, irão atuar como um reforço principalmente nos territórios atingidos pelas chuvas.  De acordo com o secretário de Saúde Marcus Curvelo, já existe um acordo de cooperação técnica entre o Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde (programa da presidência da Fiocruz em Petrópolis), e a Secretaria de Saúde, em diferentes áreas. Porém, neste momento, essa parceria específica, que terá duração de seis meses, está sendo firmada com o intuito de direcionar esforços de vigilância em saúde, organização, proteção, resposta e reconstrução, no âmbito da saúde, dos territórios afetados.
 
 “A Fiocruz tem sido importante aliada, principalmente nesse momento de crise em que estamos vivendo. Essas cinco equipes volantes garantem a ampliação da capacidade de resposta e acolhimento da população, principalmente das pessoas que foram acometidas pelas chuvas”, disse o prefeito Rubens Bomtempo.
 
"Os serviços e profissionais de saúde que atuam nos territórios já vêm enfrentando os desafios de apoiar e proteger a população da Covid-19 e de seus impactos associados, inclusive no campo da saúde mental. Com as tragédias recentes causadas pelas chuvas em Petrópolis, os desafios de prover os cuidados necessários à saúde, no seu sentido mais amplo, se tornam ainda maiores. E ainda há a assistência imprescindível aos profissionais de saúde e cuidadores, de forma que possam salvaguardar e cuidar dos demais; ou seja, é preciso cuidar também de quem cuida!", explicou Felix Rosenberg, Diretor do Fórum Itaboraí, que destacou outra importante variável a ser considerada: a priorização e o desenvolvimento de ações no território. "Trabalhar no território significa resgatar todos os saberes e potencialidades dos recursos da comunidade, construindo coletivamente as soluções, a multiplicidade de troca entre as pessoas e os cuidados necessários para superar esse momento", complementou Rosenberg.
 
O trabalho focará tanto no reforço da capacidade de assistência da atenção primária em saúde, através da contratação e capacitação dos profissionais que irão compor as equipes volantes, quanto na detecção precoce de agravos e doenças que podem acontecer no período pós desastre, como a leptospirose, hepatite A e arboviroses, através do fornecimento de kits rápidos e capacitação técnica. O Acordo de Cooperação prevê, ainda, outras ações de formação para as equipes da própria Secretaria Municipal de Saúde.
 
“Neste momento, buscamos direcionar e aprofundar os trabalhos com o objetivo de realizar um mapeamento da vigilância do desastre, identificando as áreas e famílias afetadas. A parceria com a Fiocruz garante a ampliação da cobertura de atendimento na atenção primária e, principalmente, na questão de saúde mental”, reforça o secretário de Saúde, Marcus Curvelo.
 

Processo Seletivo 2022 da Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí

 

A Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí

Em funcionamento desde fevereiro de 2013, a Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí é um Projeto Sócio – Cultural gratuito de formação de orquestra composto por um conjunto de aulas de teoria e harmonia, prática orquestral e instrumento. O Ciclo Básico do curso tem duração de 3 anos e conta com aulas três vezes por semana no período da tarde. Para aqueles estudantes que pretendem fazer nível superior em música, o projeto desenvolve um trabalho de preparação para o Teste de Habilidade Específica (THE), exigido junto ao Enem nas Universidades Públicas. Clique aqui para ver o documentário sobre a Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí, produzido entre 2016 e 2017.

 

Processo Seletivo 2022

Destinado a estudantes matriculados na rede pública de ensino que estejam cursando prioritariamente entre o 7° ano do ensino fundamental e o 1° ano do ensino médio, o processo seletivo de 2022 irá selecionar 20 novos alunos para os seguintes instrumentos: violino, viola de arco, violoncelo, contrabaixo acústico, flauta transversal e clarineta. A seleção ocorrerá no dia 09 de abril, no Palácio Itaboraí.

Nenhum teste de teoria musical será exigido e candidatos que não possuem instrumentos poderão participar da seleção normalmente.

Clique aqui para ver um vídeo sobre o processo seletivo 2022.

 

Inscrições

As inscrições poderão ser feitas até o dia 08 de abril, de segunda a sexta-feira, de 08h às 17h, através do WhatsApp (24) 2246-1430 ou na recepção do Palácio Itaboraí localizado na Rua Visconde de Itaboraí, 188, no Valparaíso em Petrópolis.

Não realizaremos inscrições por e-mail.

 

Para agilizar o processo de inscrição, tenha em mãos as seguintes informações:

1-Nome completo e idade do candidato

2-Endereço

3-Bairro

4-Nome da Instituição de Ensino

5-Escolaridade (ano cursado em 2022)

6-Telefone Fixo

7-Telefone Celular

8-Já sabe tocar algum Instrumento?  Qual?

9- Para qual instrumento deseja se candidatar?

 

Para candidatos com menos de 18 anos também devem ser informados os seguintes dados:

1-Nome completo do responsável

2-Telefone celular do responsável 

3-Profissão do responsável

 

Nota da Fiocruz à tragédia em Petrópolis

 

A Fiocruz se solidariza com toda população de Petrópolis diante dos desastres causados pelas chuvas de ontem (15/02) no município.

O Fórum Itaboraí, programa da presidência da Fiocruz em Petrópolis, está apoiando as ações governamentais emergenciais de resposta e contribuindo com doações institucionais para o enfrentamento da tragédia.

 

Petrópolis, 16 de fevereiro de 2022.

 

E-mail: forumitaborai@fiocruz.br

Telefones: (24) 2246-1430 / 2231-7824 / 2231-3137

Endereço: Rua Visconde de Itaboraí, 188 – Valparaíso – Petrópolis/RJ – Brasil Cep: 25655-031

 

 

Fórum Itaboraí participa da primeira reunião do Comitê Científico da Prefeitura de Petrópolis para avaliar estágio da covid e medidas de proteção no município

Encontro reuniu representantes da Fundação Oswaldo Cruz, governo municipal e médicos

Thaís Ferreira (Fórum Itaboraí/Fiocruz) e Carla Cavalcante(PMPPublicado em 07/01/2022

Foto: Luiz Pistone (Fórum Itaboraí)

O estágio atual da pandemia do Coronavírus e as medidas de proteção necessárias para garantir a segurança sanitária dos petropolitanos foram temas da primeira reunião do novo comitê científico do município. O grupo, criado para analisar e deliberar as medidas de contenção da pandemia, teve a sua primeira reunião na última quinta-feira (06/01/22), no Palácio Itaboraí, sede da Fiocruz em Petrópolis.

“A formação do Comitê é fundamental e estratégica para o enfrentamento à covid no município. A pandemia já dura dois anos e é importante deixar claro que não acabou. Temos que sensibilizar a população sobre os cuidados necessários, como distanciamento social, uso de máscaras e álcool em gel, além de se evitar aglomerações. Cada um de nós temos que fazer a nossa parte para superar de vez esse momento”, disse o prefeito Rubens Bomtempo.

Bomtempo destacou, ainda, que a ciência é soberana e garantiu os avanços nesse processo. “Não é necessário fazer uma retrospectiva, mas é importante frisar que é graças a toda a colaboração cientifica mundial que podemos estar aqui, hoje, em uma reunião presencial, pois colocaram a vida como principal valor”, completou o prefeito.

Para o secretário de Saúde, Marcus Curvelo, a criação do Conselho Cientifico é fundamental para a elaboração de uma agenda de trabalho produtiva. “Queremos que ela, de fato, pense naqueles mais frágeis da sociedade e que nem sempre têm acesso as informações necessárias”, destacou o secretário.

“Nós temos uma satisfação muito grande em colaborar com a gestão pública municipal. A missão do Fórum Itaboraí está centrada na promoção da saúde e na redução das desigualdades sociais. Portanto, é a partir dessa perspectiva que temos colaborado e continuaremos colaborando. Nosso trabalho é eminentemente comunitário, acontece nos territórios. E nossa visão parte da determinação social da saúde, ou seja, de como as condições socioeconômicas afetam o bem-estar, o bem-viver das pessoas”, explicou Felix Rosenberg, Diretor do Fórum Itaboraí.

Rosenberg apresentou uma síntese do histórico de cooperação entre o Fórum Itaboraí/Fiocruz-Petrópolis e a Prefeitura Municipal desde 2011, bem como os principais projetos em curso na unidade. Dentre eles está o georreferenciamento por zona de calor da covid no município, realizado desde 2020. São mapas de Petrópolis que indicam as áreas de mais incidência e persistência da doença ao longo de quase dois anos, a partir de dados fornecidos pelo departamento de Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde. 

“O endemismo na região central do município é uma das principais conclusões que esse trabalho nos trouxe. Ou seja, o mapa de calor gerado a partir dos dados oficiais da covid no município nos mostra a persistência dos casos no centro da cidade. Assim, se com esse sistema geográfico passamos a entender onde está a doença e como ela se comporta ao longo do tempo no território, temos os alertas claros e necessitamos de estratégias para reduzir a contaminação. Essa área central merece um olhar mais específico e atento, até porque a covid ainda está aí e precisamos pensar e atuar com medidas epidemiológicas de prevenção. E os modelos e tecnologias sociais que desenvolvemos e aplicamos podem contribuir com enfrentamento de outras doenças que afetam a população e com políticas públicas intersetoriais de saúde”, destacou Rosenberg. 
Além do Secretário de Saúde, os médicos Marco Liserre, Luís Eduardo Fontes e Luís Arnaldo e o diretor do Serviço Autônomo do Hospital Alcides Carneiro (Sehac), Ricardo Patuléa, também participaram do encontro, assim como os secretários Marcelo Soares, de Desenvolvimento Econômico; Silvia Guedon, de Turismo; Karoline Cerqueira, da Assistência; Diana Iliescu, diretora presidente do Instituto Municipal de Cultura e Adriana de Paula, de Educação.
 
Acordo de cooperação científica
 
O governo municipal e a Fiocruz assinaram, durante a reunião, dois acordos de cooperação: um deles para fortalecer e desenvolver ações locais e intersetoriais em regiões de maior fragilidade social, voltado para a promoção da saúde, gestão socioambiental e o direito à cidade e o outro para implementar o monitoramento cartográfico participativo da covid e de outros agravos à saúde prioritários. 
 
“A assinatura desses documentos é uma demonstração clara de que nossa intenção é caminhar junto com a instituição que sempre se manteve ao lado do povo brasileiro. Além disso, trazemos o setor produtivo para esse encontro. Isso porque, entendemos que não é possível tomar qualquer decisão e avançar sem ouvir a todos”, disse o prefeito Rubens Bomtempo.
 
Foto: Luiz Pistone (Fórum Itaboraí)
Fotos: Luiz Pistone (Fórum Itaboraí)

 

 

 

Páginas