Jornada Ciência e Comunidade chega à Vila Rica neste mês de fevereiro com o tema: “Comunidades saudáveis e sustentáveis”

Evento promovido pelo Fórum Itaboraí em parceria com moradores do Vila Rica e outras comunidades será no dia 24 de fevereiro, na Escola Municipalizada Santa Terezinha. Para participar, é necessário fazer a inscrição

Aline Rickly e Luiz Pistone(Fórum Itaboraí) - Publicado em 31/01/2024 - Atualizado em 15/02/2024

A comunidade de Vila Rica, em Pedro do Rio, será a terceira a receber o evento Jornada Ciência e Comunidade, promovido pelo Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde, em parceria com os moradores da região. O evento será no sábado (24), das 8h às 17h, na Escola Municipalizada Santa Terezinha e terá como tema: “Comunidades Saudáveis e Sustentáveis”.
O objetivo das Jornadas é aproximar a ciência das populações, promovendo um amplo debate sobre assuntos de relevância social, com especialistas no tema. Em 2023, o evento passou pela comunidade do Amazonas, no Quitandinha, onde foi discutido o “Combate à fome”, e pelo distrito da Posse, onde o debate central foi em torno do “Direito à cidade”.
Os temas são sempre baseados nos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODSs), da agenda 2030, da Organização das Nações Unidas (ONU). Desta vez, o evento traz o ODS número 12: Consumo e produção responsáveis, com foco na geração de resíduos por meio da prevenção, redução, reciclagem e reuso.
 
Inscrição
O evento é gratuito, porém devido ao número limitado de vagas, para participar é necessário fazer a inscrição neste link. (Atualização: o número máximo de participantes foi atingido e, por isso, as inscrições foram encerradas em 15 de fevereiro.)
 
 
Programação 
08:00 - 08:50: Café e Credenciamento
08:50 - 09:20: Mesa de abertura
09:20-09:30: Poesia dos jovens de Vila Rica
09:30-10:20: Palestra de Alexandre Pessoa (Fundação Oswaldo Cruz - FIOCRUZ) - Lixo e Saúde
10:20: - 10:30: Apresentação Artística - Gustavo
10:30-11:20: Palestra de Viviane Japiassú (Instituto Federal do Rio de Janeiro-IFRJ)
11:20-11:30: Apresentação Artística - MC Walter
11:30 – 12:20 Palestra de Cibele Vieira (Pontifícia Universidade Católica - PUCRS) - Gestão de Lixo Orgânico
12:20-12:30: Apresentação da de músicos da Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí
12:30 - 14:30: Almoço - Apresentação Gustavo e MC Walter - Oficina de compostagem e exposição dos artesãos do Vila Rica
14:30 - 15:20: T. O. 
15:20 - 16:10: Palestra de Jennifer Thais (Associação de Catadores da Cidade de Itabirito - ASCITO) - Gestão de Lixo Sólido
16:10 – 16:40: Debate
16:40-17:00: Café/ encerramento
 

 

Inscrições abertas para o Processo Seletivo 2024 para novas vagas da Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí

As inscrições poderão ser feitas até 08 de março. Processo de seleção será no dia 09, no Palácio Itaboraí
Aline Ricly e Luiz Pistone (Fórum Itaboraí / Fiocruz) / Publicado em 26/01/2024
 

A Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí (OCPIT)  é um projeto do Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde (Fiocruz /Petrópolis) destinado a estudantes da rede pública de ensino em Petrópolis. O projeto sociocultural foi criado em 2013 e tem o propósito de desenvolver o aprendizado com perspectiva profissionalizante e humanista.

Os jovens musicistas vivenciam um curso intensivo e gratuito no decorrer de três anos, totalizando uma carga horária de 300 horas por ano, com aulas teóricas e práticas de música, masterclasses e intercâmbios com universidades de música, além de apresentações regulares de concertos para diversos públicos, inclusive em escolas da rede pública de Petrópolis.

Para aqueles estudantes que pretendem fazer nível superior em música, o projeto desenvolve ainda um trabalho de preparação para o Teste de Habilidade Específica (THE), exigido além do Enem nas Universidades Públicas.

Clique aqui para ver o documentário sobre a Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí, produzido entre 2016 e 2017.

 

 

Processo Seletivo 2024: Novas vagas

Destinado a estudantes matriculados na rede pública de ensino que estejam cursando prioritariamente entre o 8° ano do ensino fundamental e o 1° ano do ensino médio, o processo seletivo para novas vagas 2024 irá selecionar alunos para início imediato para os seguintes instrumentos: violino, viola, flauta e clarineta. Além disso, também faremos cadastro de reserva para violoncelo e contrabaixo acústico.

Nenhum teste de teoria musical será exigido e candidatos que não possuem instrumentos poderão participar da seleção normalmente.

 

Seleção:

A seleção vai ocorrer no dia 09 de março, pela manhã, no Palácio Itaboraí. Endereço: Rua Visconde de Itaboraí, 188 - Valparaíso, Petrópolis/RJ

 

Inscrições

As inscrições poderão ser feitas até o dia 08 de março somente através do WhatsApp (24) 2103-2181.

Não realizaremos inscrições por e-mail.

 

Para agilizar o processo de inscrição, tenha em mãos as seguintes informações:

1-Nome completo e idade do candidato

2-Endereço

3-Bairro

4-Nome da Instituição de Ensino

5-Escolaridade (ano cursado em 2023)

6-Telefone Fixo

7-Telefone Celular

8-Já sabe tocar algum Instrumento?  Qual?

9- Para qual instrumento deseja se candidatar?

 

Para candidatos com menos de 18 anos também devem ser informados os seguintes dados:

1-Nome completo do responsável

2-Telefone celular do responsável 

3-Profissão do responsável

 

 

 

Restrições durante período de obras no Palácio Itaboraí

Fase final do cronograma de obras do Palácio Itaboraí terá suspensão de algumas atividades

Luiz Pistone (Fórum Itaboraí) - Publicado em 17/01/2024

Com o objetivo de prezar pela segurança de todos, a administração informa que estão suspensas as visitas, os agendamentos de serviços, as reuniões externas e a realização de atividades que aumentem o fluxo de pessoas nas dependências do Palácio Itaboraí.

A suspensão seguirá durante todo o cronograma de obras, com conclusão prevista para o final de abril de 2024.

 Dúvidas devem ser enviadas para o e-mail forumitaborai@fiocruz.br.

 Cabe ressaltar que o expediente do Fórum Itaboraí não será afetado.

 
 

 

Concurso Fiocruz 2023

Publicado em 18/12/2023

A Fundação Oswaldo Cruz publicou em12 de dezembro de 2023 os três editais do Concurso Fiocruz 2023. São oferecidas 300 vagas de nível superior, igualmente distribuídas para os cargos de Tecnologista em Saúde Pública, Analista de Gestão em Saúde e Pesquisador em Saúde Pública. Há vagas em todas as unidades da Fundação, no Rio de Janeiro e demais estados. O período de inscrições será de janeiro a março de 2024: das 10h de 22/01 às 23h59 de 5/3/2024. As primeiras provas serão realizadas no fim de abril.

O concurso incluiu mecanismos voltados para os processos de inclusão e medidas de acessibilidade, tanto das pessoas negras quanto das pessoas com deficiência: garante 20% do total de vagas para pessoas negras, mediante procedimento de heteroidentificação, complementar à autodeclaração. Outros 5% do total são reservados para pessoas com deficiência (PcD) que se enquadrarem na legislação pertinente. Estes candidatos terão asseguradas condições adequadas para fazer as provas e devem, se forem classificados nas provas objetivas e discursivas, passar por avaliação biopsicossocial. A Fiocruz realiza este concurso com apoio da Fiotec.

Inscrições, editais e outras informações: https://portal.fiocruz.br/concurso-fiocruz-0

Apresentação Da Orquestra De Câmara Do Palácio Itaboraí Vai Integrar A Programação Do Natal Imperial Neste Mês De Dezembro

Concerto será no dia 21, às 19h, no Teatro Afonso Arinos. Vagas são limitadas e serão por ordem de chegada
Aline Ricly e Luiz Pistone (Fórum Itaboraí / Fiocruz) / Publicado em 13/12/2023
 

A Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí (OCPIT) vai se apresentar neste mês de  dezembro no Teatro Afonso Arinos. O concerto, aberto ao público, será no dia 21, às 19h, e irá integrar a programação do Natal Imperial, com apresentação de clássicos natalinos. A abertura dos portões será às 18h30. As vagas são limitadas e serão por ordem de chegada. Não haverá reserva.

Durante o concerto, a OCPIT também vai apresentar canções de compositores clássicos como Sebastian Bach e Friedrich Händel, além de compositoras brasileiras como Sandra Mohr e Chiquinha Gonzaga.

A Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí (OCPIT) é um projeto do Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde (Fiocruz /Petrópolis) destinado a estudantes da rede pública de ensino em Petrópolis. O projeto sociocultural foi criado em 2013 e tem o propósito de desenvolver o aprendizado com perspectiva profissionalizante e humanista.

Os jovens musicistas vivenciam um curso intensivo e gratuito no decorrer de três anos, totalizando uma carga horária de 300 horas por ano, com aulas teóricas e práticas de música, masterclasses e intercâmbios com universidades de música, além de apresentações regulares de concertos para diversos públicos, inclusive em escolas da rede pública de Petrópolis.

Para aqueles estudantes que pretendem fazer nível superior em música, o projeto desenvolve ainda um trabalho de preparação para o Teste de Habilidade Específica (THE), exigido além do Enem nas Universidades Públicas.

A orquestra é uma realização do Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde, da Fiocruz e do Ministério da Cultura, com gestão cultural da Sociedade Promoção Casa de Oswaldo Cruz (SPCOC). Conta ainda com patrocínio da EDF Norte Fluminense, Abbott, GE Celma e Supergasbras. A ação é um produto da Lei de Incentivo à Cultura do Governo Federal.

 

Serviço: 

Concerto de Natal

Local: Teatro Afonso Arinos

Endereço: Praça Visconde de Mauá, 305 - Centro, Petrópolis - RJ

Data e hora: 21 de Dezembro, às 19h

Abertura dos portões: 18h30

Não haverá reserva de lugares. Vagas limitadas.

 

Fórum Itaboraí conclui formação de multiplicadores do Teatro do Oprimido

O curso teve duração de oito meses e contou com a participação de pessoas de diversas comunidades de Petrópolis

Aline Ricly e Luiz Pistone (Fórum Itaboraí / Fiocruz) - Publicado em 02/12/2023

O Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde concluiu, em primeiro de dezembro de 2023, a formação de 11 multiplicadores do Teatro do Oprimido (TO). O curso teve duração de oito meses e contou com a parceria das Secretarias de Saúde e Assistência Social do município.

 

O Teatro do Oprimido é uma metodologia criada por Augusto Boal, teatrólogo brasileiro, com a ideia de democratizar os meios de produção do teatro e proporcionar a transformação política e social. Na prática, a técnica leva a apresentações de situações opressoras e busca transformá-las, assim como despertar o sentimento de cidadania entre os atores, atrizes e a plateia.

 

A turma do Fórum Itaboraí foi composta por profissionais da saúde, da assistência social e lideranças comunitárias. O objetivo é de que essas pessoas possam, a partir de agora, multiplicar em seus territórios os conhecimentos adquiridos e compartilhados ao longo do curso.

 

Além disso, ao longo do ano, o Teatro do Oprimido foi utilizado junto à equipe social do Fórum Itaboraí com o objetivo de fortalecer a organização popular através de parcerias com grupos de convivência nos CRAS e PSFs.

 

A turma também esteve envolvida na participação dos teatros apresentados nas Jornadas Ciência e Comunidade no Amazonas e na Posse. A primeira, com o tema do Combate à Fome, e a segunda sobre o Direito à Cidade.

 

Fiocruz Pra Você 2023 Reúne 350 Pessoas Na Quadra Da Escola De Samba Da Comunidade Oswaldo Cruz

Campanha que estimula a vacinação aconteceu no sábado (18) e contou com ampla programação para as crianças

Aline Ricly e Luiz Pistone (Fórum Itaboraí / Fiocruz) / Publicado em 24/11/2023

 

A campanha Fiocruz pra Você reuniu 350 pessoas na quadra da escola de samba da Comunidade Oswaldo Cruz no último sábado (18). O evento, que estimula a vacinação de crianças e adultos, proporcionou uma série de atividades das 8h às 16h. O encerramento ocorreu uma hora antes do previsto devido ao calor intenso.
 
A vacinação foi conduzida pela Secretaria Municipal de Saúde. Ao todo, foram aplicadas 26 vacinas, sendo 19 de rotina e sete da Covid-bivalente, em 20 pessoas – 13 crianças e sete adultos. Muitas das pessoas que compareceram ao evento apresentaram a carteirinha de vacinação em dia.
 
Durante todo o evento, a criançada se divertiu com a programação promovida no local, como oficina de circo, apresentação de balé e contação de história. Além disso, também puderam curtir o passeio de trenzinho, pula pula, tobogã e pintura. O evento também disponibilizou carrocinha de pipoca e algodão doce. 
 
A campanha Fiocruz para você é um evento tradicional que ocorre há décadas na sede da Fiocruz, em Manguinhos. Em Petrópolis, o Fórum Itaboraí promoveu o evento nos anos de 2017, 2018 e 2019 e retornou agora em 2023.
 

 

Biblioteca Livre Do Fórum Itaboraí Inicia Arrecadação De Livros Infantis E Infantojuvenis

Doações podem ser feitas no Palácio Itaboraí e na Biblioteca Gabriela Mistral, no Centro

Aline Ricly e Luiz Pistone (Fórum Itaboraí / Fiocruz) / Publicado em 14/11/2023

A Biblioteca Livre do Fórum Itaboraí iniciou nesta terça-feira (14) uma arrecadação de livros infantis e infantojuvenis. As doações podem ser feitas no Palácio Itaboraí, na Rua Visconde de Itaboraí, nº 188, no Valparaíso; e na Biblioteca Gabriela Mistral, que fica no Centro de Cultura, próxima à Praça Visconde de Mauá, no Centro da cidade. 
 
O objetivo da arrecadação é de que esses livros sejam doados para crianças e adolescentes em ações promovidas pelo Fórum Itaboraí, como a campanha Fiocruz para Você, que vai ocorrer no próximo sábado (18), na quadra da escola de samba da Comunidade Oswaldo Cruz.
 
A Biblioteca Livre do Fórum Itaboraí aceita doações de livros infantojuvenis que estimulem a leitura, promovam a educação, e enriqueçam o conhecimento de leitores de todas as idades. Não são aceitos livros didáticos, nem enciclopédias. 
 
Recolhemos doações de 30 ou mais livros, basta entrar em contato pelo número (24) 2103-2181 e agendar para que um responsável do Fórum Itaboraí busque no local combinado.

 

Fiocruz Pra Você 2023 - Petrópolis

Evento que promove a vacinação de crianças e adultos será no dia 18 de novembro na Quadra da Escola de Samba da Comunidade Oswaldo Cruz

Aline Ricly e Luiz Pistone (Fórum Itaboraí / Fiocruz) / Publicado em 09/11/2023

 

No próximo dia 18 de novembro, Petrópolis vai receber a quarta edição da campanha de vacinação “Fiocruz para você”. O evento, aberto ao público, será na quadra da Escola de Samba da Comunidade Oswaldo Cruz, no Valparaíso. A programação será das 8h às 17h e inclui uma série de atividades, com destaque para oficinas, contação de histórias e circo. 
 
A campanha Fiocruz para você é um evento tradicional que ocorre há décadas na sede da Fiocruz, em Manguinhos. Em Petrópolis, o Fórum Itaboraí promoveu o evento nos anos de 2017, 2018 e 2019 e retorna agora em 2023, com o apoio da Secretaria Municipal de Saúde. O objetivo é estimular a vacinação das crianças e adultos para contribuir com a imunização e erradicação de doenças.
 
A abertura da programação será às 8h. Em seguida, haverá a oficina de plantio, trenzinho para as crianças, oficinas de circos e contação de histórias. Ao longo do dia, as crianças terão acesso também a um espaço para brincadeiras.
 
Vacinas disponíveis (fornecidas e administradas pela Secretaria de Saúde de Petrópolis):
Covid: reforço bivalente para maiores de 18 anos
Influenza: a partir de 6 meses
Outras vacinas do calendário nacional de imunização poderão estar disponíveis a depender da disponibilidade
Não esqueça a carteira de vacinação
 
Atividades contínuas - Das 8hs às 17hs:

Vacinação

Pula pula

Tobogã inflável

Pintura

Algodão doce

Pipoca

 
Outras atividades:

8h: Abertura

9:15h: Oficina de Plantio

10h às 12h: Trenzinho

11h: Oficina de Circo

11h30: Apresentação de balé

14h: Contação de histórias

15h: Oficina de Circo

17h: Encerramento

 
Serviço:
Data: 18 de novembro
Horário: Das 8h às 17h
Local: Quadra da Escola de Samba da Comunidade Oswaldo Cruz - Rua Nossa Senhora Aparecida, 01, Valparaíso
Entrada Gratuita

 

Palácio Itaboraí Terá Masterclass Com O Duo Santoro Nesta Terça

Um dos duos de violoncelistas mais reconhecidos do Brasil vai falar sobre o tema: “Os desafios da música clássica no Brasil”. Para participar, é preciso fazer inscrição
Aline Ricly e Luiz Pistone (Fórum Itaboraí / Fiocruz) / Publicado em 06/11/2023
 

O Palácio Itaboraí vai receber nesta terça-feira (7) uma masterclass com o Duo Santoro, um dos mais reconhecidos duos de violoncelistas do país. O evento terá como tema “Os desafios da música clássica no Brasil” e será às 15h. Para participar presencialmente, é preciso fazer a inscrição. As vagas são limitadas. O evento também terá transmissão ao vivo pelo canal do Fórum Itaboraí, no Youtube.  

Durante a masterclass, o Duo Santoro vai compartilhar com o público sua vasta experiência adquirida em uma carreira internacional de destaque e discutirá os desafios enfrentados no cenário da música clássica no Brasil. Eles também compartilharão suas visões e expectativas para o futuro da música clássica no país. 

Os interessados em participar presencialmente deverão fazer as inscrições até segunda-feira (6) pelo Whatsapp: (24) 2103-2181. Para quem quiser assistir pelo youtube, basta acessar o link: https://www.youtube.com/live/OF-VQnf316w?feature=shared 

O Palácio Itaboraí fica na Rua Visconde de Itaboraí, nº 188, no Valparaíso. 

 

 

Serviço: 

Masterclass com o Duo Santoro

Tema: Desvendando os Desafios da Música Clássica no Brasil

Local: Palácio Itaboraí

Endereço: Rua Visconde de Itaboraí, nº 188, Valparaíso

Data e hora: 7 de novembro, às 15h

Inscrições pelo Whatsapp: (24) 2103-2181

Vagas limitadas

 

Fiocruz Debate Saúde E Agroecologia Com Juventudes Quilombolas Do Rio De Janeiro E São Paulo

Atividade do projeto Ará reuniu cerca de 60 pessoas no Quilombo Boa Esperança, em Areal

Aline Ricly (Fórum Itaboraí / Fiocruz) e Angélica Almeida (Agroecologia / VPAAPS) / Publicado em 01/11/2023
 

Um intercâmbio envolvendo juventudes quilombolas, indígenas, caiçaras e periféricas foi realizado nos últimos 27, 28 e 29 de outubro no Quilombo Boa Esperança, em Areal (RJ). Participaram cerca de 60 pessoas entre representantes locais, de outras regiões do Rio de Janeiro, como a Zona Oeste do Rio e da Costa Verde, e do estado de São Paulo.  Membros do Quilombo da Tapera, do Movimento dos Pequenos Agricultores com atuação em Bonfim (Petrópolis), da Aldeia Rio Bonito e Quilombo da Fazenda (em Ubatuba), bem como do Quilombo do Camorim (Rio de Janeiro) estiveram presentes.

A atividade compõe as ações do Projeto Ará, coordenado pela Vice-Presidência de Ambiente, Atenção e Promoção da Saúde (VPAAPS) em articulação com o Fórum Itaboraí, programa da presidência da Fiocruz em Petrópolis; o Campus Fiocruz Mata Atlântica; e o Observatório de Territórios Sustentáveis e Saudáveis da Bocaina, fruto da parceria entre a Fiocruz e o Fórum de Comunidades Tradicionais (FCT). Uma série de organizações sociais, governamentais e comunidades também é parceira da iniciativa.

Marcelle Felippe da Agenda de Saúde e Agroecologia/VPAAPS explica que o objetivo do intercâmbio foi proporcionar integração e troca de saberes, dialogando sobre lutas por direitos, desafios comuns enfrentados, bem como sobre ações transformadoras, a fim de fortalecer o protagonismo das juventudes na defesa de suas comunidades.

“As juventudes estão ensinando muito para gente e para os seus territórios que a renovação não é esquecer o passado. Muito pelo contrário: passa pelo resgate dos seus ancestrais, pela força de aprender com as mais velhas e mais velhos e, a partir disso, criar novos mundos possíveis em que as violências, os preconceitos e a criminalização de suas práticas sejam combatidos”, avalia.

Uma caminhada percorreu o Quilombo com relatos de moradoras e moradores sobre o passado de resistência contra a escravidão e como a comunidade permanece sofrendo violações de direitos e resistindo às ameaças à vida com dignidade. No Morro da Pedra, ápice da caminhada feita pelo grupo, estão as nascentes de água que abastecem, em maior parte, a comunidade. Lá muito foi dito sobre a invisibilidade do Quilombo perante o poder público, que se expressa em questões estruturais como a contaminação das águas, a falta saneamento, de iluminação e de mobilidade urbana, diante da péssima condição das estradas e insuficiência de transportes, as fragilidades nas políticas públicas de saúde, entre outras problemáticas.

Em um diálogo entre gerações, as pessoas mais antigas, guardiãs das memórias e práticas tradicionais (griôs), contaram histórias e compartilharam seus conhecimentos, a exemplo do feitio de rapadura e melado no Engenho do Moinho cuidado pelo Celso da Cruz Fonseca e família. Diversas receitas locais preparadas pelas mulheres da comunidade puderam ser saboreadas, como feijoada, frango com quiabo, bolos e geleias, proporcionando, ao mesmo tempo, uma alimentação saudável e nutritiva e a geração de renda local.

A ancestralidade negra e valores como respeito às diversidades foram celebrados em uma noite que integrou moradoras/es e visitantes por meio de oficinas de capoeira, maculelê, “Escravos de Jó” com bambu e samba de roda. No último dia de atividade, com orientação da Fiocruz Petrópolis, uma horta vertical com ervas medicinais, aromáticas e plantas comestíveis não convencionais (PANCs) foi construída para presentear a escola que acolheu a atividade.

 

“A gente é um só. Só muda o endereço”

As violências presentes nos territórios, as formas de enfrentamento coletivo aos desafios e os sonhos das juventudes para o futuro das comunidades foram objeto de discussão em grupos específicos e ampliados, como modo de reconhecer semelhanças e especificidades vivenciadas.

As temáticas que sobressaíram nos diálogos foram aprofundadas e expressadas por meio do Teatro do Oprimido, que abordou questões como a regularização fundiária e o direito de uso dos territórios, a segurança alimentar e nutricional das famílias, a ausência do poder público, as violências contra as mulheres, a evasão escolar e a gravidez na adolescência.

“A gente pôde perceber que todos os territórios têm quase o mesmo problema e só muda o endereço. Esta troca faz com que todos nós nos fortaleçamos e lutemos em prol de uma luta só que é a igualdade racial, que é a busca de uma vida mais sustentável por meio da agroecologia” afirma Estefanie Rodrigues Barbosa, coordenadora social, ambiental e fundiária da Associação dos Remanescentes do Quilombo de Boa Esperança (ARQBE).

Tupã Mirim, da Aldeia Rio Bonito, em Ubatuba, relata o mesmo senso de pertencimento e união entre as juventudes: “Este intercâmbio fortalece nossa resistência de luta e de conhecimento para as comunidades que vivem aqui, e não são diferentes de nós. É a mesma luta. Luta por terra, por demarcação. Eu espero que daqui para frente a gente possa estar mais junto enquanto indígena, quilombola e caiçara. É uma grande honra ser indígena e estar aprendendo junto para ajudar os nossos mais velhos na luta”, afirma.

Jovem quilombola da Zona Oeste do Rio de Janeiro, Hérick Santos destaca que foi possível reconhecer que as juventudes estão à frente dos processos de participação política em diferentes organizações sociais e de mobilização social nos territórios, somando esforços com as pessoas mais antigas das comunidades.

“A gente estava pensando como seria fazer um intercâmbio com tantas regiões distantes e diferentes. Hoje, olhando pra tudo como se formou, eu vejo que não é tão distante: as histórias, as dificuldades, os sonhos são tão próximos, que parece que a gente cresceu junto e todo mundo vivencia as mesmas coisas. É uma coisa muito potente que não vai parar por aqui, eu tenho certeza”, reflete.

 

Agroecologia como potencializadora de lutas por direitos

Ao longo do encontro, foi destacado como a agroecologia atua na promoção da saúde, não só por meio de práticas sustentáveis, mas também como proposta de transformação das relações entre as pessoas e com a natureza, buscando romper com violências e desigualdades.

Marcelo Izaias, assistente social do Fórum Itaboraí, afirma que estar em contato e reflexão com outras comunidades contribui para que as/os jovens tenham uma visão mais crítica, desnaturalizem violências e construam alternativas diante das ameaças aos seus territórios.

“Alguns temas abordados vão fazer com que os jovens tenham mais fôlego para desenvolver as ações comunitárias. Neste intercâmbio, tiveram oportunidade de ver que outros jovens têm as mesmas dificuldades, conseguiram resolver ou estão em processo de resolução de algumas questões e que eles podem trocar essas ideias”, pontua.

Desde o começo do projeto Ará, as juventudes são parceiras prioritárias para a ação territorial. Em 2022, foi realizado um intercâmbio no Quilombo do Bracuí (https://portal.fiocruz.br/noticia/fortalecer-vinculos-na-promocao-da-agroecologia-no-estado-do-rio-de-janeiro-vivencia-do) e também houve diálogo entre as juventudes em encontro na Fiocruz Mata Atlântica (https://portal.fiocruz.br/noticia/projeto-ara-conecta-experiencias-de-promocao-da-saude-e-agroecologia-no-rio-de-janeiro), que indicou a importância de outro momento específico de diálogo. Assim, desde maio de 2023, foi retomada uma agenda de reuniões com as juventudes Ará, que participaram ativamente da construção deste intercâmbio.

 

 

 

Fórum Itaboraí Participa De Atividades Pela Semana Nacional De Ciência E Tecnologia

Ações ocorrem em Petrópolis e no Rio ao longo desta semana

Aline Rickly e Luiz Pistone (Fórum Itaboraí) - Publicado em 16/10/2023

O Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde vai participar ativamente de uma série de atividades da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT-2023), que ocorre até o dia 20 de outubro em diferentes instituições. A SNCT é uma iniciativa do Ministério de Ciência, Tecnologia e Informação e tem o objetivo de promover ações que envolvam a comunidade e estimulem o conhecimento científico e tecnológico. Neste ano, traz o tema "Ciências Básicas para o Desenvolvimento Sustentável" atendendo os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU).

As atividades com as equipes do Fórum Itaboraí começam nesta terça-feira (17) e quarta (18) com tour pelo Jardim Sensorial e oficina de multiplicação de espécies na Faculdade de Educação Tecnológica do Estado do Rio de Janeiro (Faeterj), em Petrópolis, proporcionando uma experiência única de interação com a natureza e os sentidos. As ações ocorrem das 9h às 16h.

Também nesta terça, o Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC) terá uma oficina com a equipe do Fórum Itaboraí dedicada à multiplicação de espécies plantadas no Jardim Sensorial da instituição. O evento será das 9h às 16h.

Já nos dias 18, 19 e 20 de outubro, a Fiocruz Manguinhos vai incluir na programação da SNCT uma exposição do Horto Escola do Fórum Itaboraí, com várias espécies de plantas medicinais com o mesmo nome popular, além de atividades como troca e doação de mudas e sementes. O evento também terá rodas de conversas sobre plantas medicinais e a exposição da maior folha dicotiledônea do mundo, Coccoloba gigantifolia/Uva-da-Amazônia, além de um modelo de tecnologia social: a horta vertical suspensa.

Também no dia 18, a Fiocruz Manguinhos vai receber a oficina de Teatro Jornal no Anfiteatro do Centro de Recepção, das 13h30 às 14h30 e das 14h30 às 15h30. Esta técnica do Teatro do Oprimido será explorada como uma ferramenta para lidar com informações importantes e atuais na sociedade. Vão participar da atividade, as equipes da Biblioteca Livre e do Teatro do Oprimido do Fórum Itaboraí.

E no dia 19 de outubro, o auditório do Museu da Vida terá uma apresentação da Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí (OCPIT), das 14h30 às 15h30. O evento também marcará o lançamento do encarte do livro "Histórias de Bernadete", que aborda experiências durante a pandemia de COVID-19. A atividade encerra a participação do Fórum Itaboraí na SNCT 2023.

 Veja a programação:

Dias 17 e 18 - Faeterj

Tour pelo Jardim Sensorial e oficina de multiplicação de espécies na Faeterj, em Petrópolis – 9h às 16h

Dia 17 - LNCC

Oficina de multiplicação de espécies plantadas no Jardim Sensorial do LNCC -  9h às 16h.

Dias 18, 19 e 20 de outubro – Fiocruz Manguinhos

Exposição do Horto Escola, com várias espécies de plantas medicinais com o mesmo nome popular, além de atividades como troca e doação de mudas e sementes.

Rodas de conversas sobre plantas medicinais e a exposição da maior folha dicotiledônea do mundo, Coccoloba gigantifolia/Uva-da-Amazônia, e também um modelo de tecnologia social, de uma horta vertical suspensa.

Dia 18 – Fiocruz Manguinhos

Oficina de Teatro Jornal, das 13h30 às 14h30 e das 14h30 às 15h30

Dia 19 – Auditório do Museu da Vida

Apresentação da OCPIT – 14h30 às 15h30

Assistentes sociais concluem curso de atualização em Política em Saúde e Desenvolvimento Social, promovido pelo Fórum Itaboraí em Petrópolis

As aulas ocorreram entre abril e outubro de 2023. Ao todo, 27 profissionais frequentaram as aulas

Aline Ricly e Luiz Pistone (Fórum Itaboraí/Fiocruz)Publicado em 30/10/2023

Profissionais das Secretarias de Saúde e Assistência Social de Petrópolis participaram entre os meses de abril e outubro deste ano do curso de atualização em Política em Saúde e Desenvolvimento Social, promovido pelo Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde, sede da Fiocruz em Petrópolis, em parceria com as Secretarias Municipais de Assistência Social e Saúde. Ao todo, 27 profissionais participaram da capacitação. 
 
Segundo a servidora da Fiocruz e coordenadora do curso, Mel Bonfim, a ideia é incentivar uma visão crítica e estratégica das assistentes sociais sobre as políticas que determinam a transformação do território e as condições de seus habitantes, fortalecendo a abordagem intersetorial e comunitária e ampliando a dimensão coletiva da Saúde e da Assistência Social. 
 
Assistente social do Fórum Itaboraí, Sônia Carvalho, considera que o curso foi muito positivo porque, além da atualização em temas candentes do dia a dia, numa conjuntura de retomada de programas consagrados no SUS e SUAS, precarizados no governo anterior, o curso proporcionou o encontro intersetorial das profissionais dos diversos programas e serviços sociais de ambas as secretarias, Saúde e Assistência. 
 
Uma das alunas do curso, Glaucia Santos Lisboa, destacou a relevância da abordagem de temas atuais. “Foram conteúdos riquíssimos e palestrantes super conceituados e capacitados, que instigaram questionamentos, debates e trocas de experiências”, disse. 
 
Já a assistente social, Carla Carnevale, ressaltou a importância de atualizações como a oferecida pelo Fórum Itaboraí. “Avalio o curso de forma positiva, como uma oportunidade ímpar para o encontro de profissionais, para o aprimoramento teórico-metodológico e para o fortalecimento do trabalho em rede”, afirmou.
 
Entre os temas abordados durante o curso de atualização, destacam-se: Políticas Sociais/SUAS e SUS- linha do tempo e análise de conjuntura, Desafios da prática no Serviço Social, a questão da Fome no Brasil e a atuação do Serviço Social, Leituras de mundo numa perspectiva negra, Fronteiras entre o SUS e o SUAS, Planejamento em Gestão e Orçamento público.
 

Encontro em Petrópolis promove diálogo com comunidades sobre ações de saúde e agroecologia

Atividade de avaliação do projeto Ará reuniu 60 pessoas no Fórum Itaboraí, programa da presidência da Fiocruz em Petrópolis
Aline Ricly, Luiz Pistone (Fórum Itaboraí / Fiocruz) e Angélica Almeida (Agroecologia / VPAAPS) / Publicado em 10/10/2023
 

O Palácio Itaboraí, em Petrópolis, recebeu a terceira edição do encontro de imersão do comitê gestor do projeto Ará na quarta-feira (4). Ao todo, 60 pessoas participaram do evento. Por meio de uma escuta ativa, o encontro teve como objetivo fazer uma avaliação dos avanços e desafios do componente do projeto sediado no Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde. O projeto aplica tecnologia social com o objetivo de promover a saúde, apoiar a geração de trabalho e renda, estimular a organização comunitária e combater à fome de famílias quilombolas e agricultoras em três áreas do Município de Petrópolis e uma em Areal, todas no Estado do Rio de Janeiro.  

 

Além dos representantes do Fórum Itaboraí, a imersão contou com a participação de moradoras e moradores de Brejal e Bonfim e dos Quilombos Boa Esperança e Tapera; da Vice-Presidência de Atenção e Ambiente e Promoção da Saúde (VPAAPS) da Fiocruz; do Observatório dos Territórios Sustentáveis e Saudáveis da Bocaina (OTSS/ FCT); da Fiocruz Mata Atlântica (FMA); da Embrapa, do Movimento de Pequenos Agricultores (MPA), da Associação de Agricultores Biológicos do Estado Rio Janeiro (ABIO), da rede agroecológica Bonfim Mais Verde e do Comitê da Bacia do Rio Piabanha. 

 

Durante o encontro, houve uma dinâmica de trabalho de avaliação das ações executadas com base em quatro eixos temáticos: soberania e segurança alimentar e nutricional; saúde das pessoas e dos territórios; construção social de mercados; e construção do conhecimento.   

 

Diretor do Fórum Itaboraí, Felix Rosenberg conduziu o eixo sobre saúde das pessoas e dos territórios e destacou que saúde é muito mais que a ausência de doenças; é o bem-estar físico, emocional e social. “Saúde é a gente se sentir bem, estar de bem com a vida. Em suma, saúde deve ser sinônimo de felicidade individual e social”, destacou.  

 

Entre os principais avanços do projeto Ará foram pontuadas questões como as ações de saneamento no Boa Esperança, incluindo a doação de filtros que, segundo os moradores, contribuiu para a redução de doenças gastrointestinais e para a vida com mais dignidade.  

 

“Felicidade é que a água chegue à minha casa sem que minha mãe tenha que subir um morro enorme para poder plantar; a gente ter uma cisterna. Felicidade é ter um pomar na minha casa. Saber que as crianças podem andar no quintal e pegar uma fruta. Não precisar mais abrir geladeira para beber água, porque dentro da minha casa eu tenho um filtro.” relatou a moradora Mislene Moura Barbosa, do Quilombo Boa Esperança. 

 

Além de contribuir para a efetivação do direito humano à água limpa e segura, o acesso a este bem natural fortaleceu outras ações, como a implantação dos quintais produtivos, com resgate de plantas medicinais, e dos galinheiros. Além disso, foram citadas as doações de cestas no Bonfim, que incentivam a alimentação saudável e adequada, ao mesmo tempo em que se gera renda local e estimula a produção agroecológica das famílias.  

 

Com relação aos desafios, a questão latente no Boa Esperança foi a necessidade de melhoria da qualidade da água. No Tapera, a de titulação da terra. Nos dois quilombos foram levantados os interesses na construção de um turismo de base comunitária. No Bonfim, moradores mencionaram a necessidade de conscientizar ainda mais a população sobre a importância do alimento agroecológico. No Brejal, foi mencionada a proposta de criação do circuito curto, iniciativa que pretende aproximar agricultoras e agricultores da comunidade inscrita no CAD-único da Posse, atuando diretamente no combate à fome.  

 

A avaliação dos eixos temáticos contemplou articulações políticas territoriais, a tecnologia social implementada, a participação de mulheres, juventudes e povos e comunidades tradicionais, além do legado deixado para as comunidades e os desafios em curso.  

 

Durante o encontro, foram coletados subsídios para a escrita de uma publicação final do projeto. A expectativa é de que as discussões contribuam para a elaboração conjunta de um programa institucional da Fiocruz que considere as relações entre agroecologia e saúde. 

“Este rico processo de escuta iniciado na Zona Oeste do RJ (sugestão de inserir link: https://portal.fiocruz.br/noticia/fiocruz-mata-atlantica-reflete-sobre-d...), seguido da Serra da Bocaina (sugestão de inserir link: https://portal.fiocruz.br/noticia/comunidades-avaliam-acoes-de-saude-e-a...) e, agora, Petrópolis, nos permite olhar, em profundidade, para os aprendizados do projeto Ará e vislumbrar ações futuras que contribuam para a promoção de territórios cada vez mais sustentáveis e saudáveis, com ampla participação das comunidades envolvidas”, avalia Marcelle Felippe, da Agenda de Saúde e Agroecologia da VPPAPS.

 

 

 

 

Equipe do Fórum Itaboraí participa do primeiro Simpósio Brasileiro de Ensino, Pesquisa e Extensão em Tecnologia Social

Evento aconteceu nos dias 21 e 22 de setembro no Centro de Tecnologia da UFRJ

Aline Rickly (Fórum Itaboraí) - Publicado em 25/09/2023

A equipe do Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde, programa da presidência da Fiocruz em Petrópolis, participou neste mês de setembro do primeiro Simpósio Brasileiro de Ensino, Pesquisa e Extensão em Tecnologia Social (Sepets). O evento foi promovido pela Associação Brasileira de Ensino, Pesquisa e Extensão em Tecnologia Social (ABEPETS) e aconteceu no Centro de Tecnologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). 
 
Na ocasião, o geógrafo do Fórum Itaboraí, Bruno Cesar Santos, apresentou o trabalho “Uso do diagnóstico Rápido Participativo (DRP) e da Cartografia Participativa como tecnologias sociais para subsidiar a territorialização em projeto de implantação de uma unidade da estratégia de saúde da família em Petrópolis”. 
 
O I Sepets teve como objetivo congregar pesquisadores (as), representantes de movimentos sociais, e interessados que atuam no campo da Tecnologia Social, visando favorecer a troca de experiências e a articulação entre grupos de pesquisa, instituições de ciência e tecnologia, organizações comunitárias e movimentos sociais, assim como promover a interação de experiências no campo da Tecnologia Social, buscando fortalecer o campo acadêmico e a prática na área, bem como estimular e consolidar políticas públicas.
 
Além disso, o evento buscou apreciar a gestão da produção do conhecimento em Tecnologia Social e o fomento à pesquisa com vistas à produção acadêmica (artigos, livros e outras produções intelectuais)  e definir estratégias para organização do ensino, pesquisa e extensão em Tecnologia Social como área complexa do conhecimento com acentuada interface entre diferentes saberes, além do acadêmico. Também foi finalidade do Seminário consolidar a ABEPETS como um espaço de permanente diálogo sobre o tema, garantindo à Associação um papel de protagonista em várias ações e estratégias (projetos, políticas, pesquisas etc.).
 
O evento foi apoiado pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict) e contou também com o patrocínio da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).
 
 

Segunda edição do evento "Jornada Ciência e Comunidade" reúne mais de 70 pessoas na Posse em amplo debate sobre Direito à Cidade

Encontro foi promovido pelo Fórum Itaboraí em conjunto com os moradores da Posse e com apoio da Prefeitura Municipal de Petrópolis

Aline Rickly e Luiz Pistone(Fórum Itaboraí) - Publicado em 01/09/2023

Mais de 70 pessoas participaram da Jornada Ciência e Comunidade na terça-feira (29), na Posse. O encontro aconteceu na Praça CEU e reuniu especialistas e sociedade civil, com moradores de 28 localidades de Petrópolis, em um amplo debate sobre “Direito à cidade”, tema incluído no Objetivo do Desenvolvimento Sustentável (ODS) número 11: “Cidades e Comunidades Sustentáveis”, que tem como meta tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis.  

A iniciativa das Jornadas Ciência e Comunidade é do Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde, programa da presidência da Fiocruz em Petrópolis, construída em conjunto com os moradores. Na Posse, o encontro teve o apoio da Prefeitura de Petrópolis.  

A mesa de abertura contou com a participação do diretor do Fórum Itaboraí, Felix Rosenberg; da presidente do Instituto Municipal de Cultura, Diana Iliescu, representando o prefeito de Petrópolis, Rubens Bomtempo e de Maurício Veiga, diretor de Habitação e Regularização Fundiária do município e que, na ocasião, representou o secretário de Assistência Social, Fernando Araújo.  

Esta foi a segunda edição das Jornadas Ciência e Comunidade em Petrópolis. A primeira, que ocorreu em janeiro deste ano no Amazonas, no Quitandinha, tratou sobre o Combate à fome. “Nas Jornadas compartilhamos saberes entre os intelectuais, cientistas e a comunidade. Os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável estabelecem metas para a prevenção e o controle de doenças e para todos os componentes que determinam as desigualdades sociais, principal determinante das condições de saúde e bem-estar, bem viver de todo mundo. Saúde vai muito além do combate às doenças”, destaca Felix. 

A programação da Jornada começou com o Teatro do Oprimido (TO) do Fórum Itaboraí. A apresentação teve como atrizes mulheres do Centro de Referência e Assistência Social (CRAS) da Posse e alunos do Núcleo do TO do Fórum Itaboraí. Na ocasião, promoveu uma reflexão sobre as dificuldades enfrentadas no dia a dia pelos moradores do distrito, como ter acesso a serviços básicos, o constante atrasos dos horários de ônibus, além dos transtornos impostos pela centralização de atividades no primeiro distrito. A apresentação foi seguida da técnica de Teatro Fórum onde pessoas da plateia puderam substituir atores da cena buscando soluções para os problemas apontados. 

Depois, foi iniciada a sequência de palestras. A primeira de Kelson Senra, arquiteto, doutor em planejamento urbano pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e mestre em Geografia pela Universidade de Brasília. O especialista foi secretário de Habitação em Petrópolis nos anos de 2011 e 2012. “Não é fácil tratar de direito à moradia, mas é a potência de esforço que pode nos levar à frente”, disse, acrescentando que é fundamental a construção de organizações comunitárias para defender o bairro. “A cidade é para o bem-estar da população e a comunidade junta pode muita coisa”.  

Kelson comentou ainda que em 2012 foi feito um plano de habitação social em Petrópolis e sinalizou como um desafio a falta de direcionamento de recursos para implementação deste documento e de outros, como o plano diretor, que possui diretrizes para o planejamento urbano.  

Logo após, Itamar Silva falou sobre a importância da participação popular na construção de políticas públicas. Itamar foi diretor do Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (Ibase) por dez anos, é jornalista, estudioso e líder da questão habitacional nas favelas do Rio de Janeiro. “A participação não pode ser uma palavra vazia. E às vezes ela está resumida a uma reunião, mas nem sempre é estar na reunião, mas cómo a pessoa está nessa reunião? Porque é importante também ter o acesso à informação”, disse. 

Nascido no Morro Santa Marta, no Rio de Janeiro, onde vive até hoje e já ocupou a presidência da Associação de Moradores, Itamar destacou que o direito à moradia está na constituição brasileira e promoveu reflexões como: “Onde a gente mora? “Por que a gente não tem casa? Quem nos ouve sobre isso? Com que ouvido? Com que tratamento?”.  

Durante sua fala, Itamar ressaltou ainda que o direito à cidade é um direito pleno que dá conta da educação, saúde, habitação e lazer.  

A última palestrante do dia, Layla Talin, arquiteta e urbanista e servidora da Prefeitura de Petrópolis, falou sobre o ir e vir enquanto direito à cidade. Layla abordou o Plano de Mobilidade Urbana da CPTrans (Companhia Petropolitana de Trânsito e Transportes), a importância de a população ter acesso a diferentes modos de deslocamento, que não sejam apenas só por meio do transporte coletivo, além de apresentar algumas opções para melhorar condições de estradas a fim de permitir melhor a circulação de pedestres e ciclistas.  

Por fim, moradores da Posse apontaram propostas para solucionar os problemas que apareceram ao longo da reunião. Leonardo Fragoso sugeriu que o que foi discutido na jornada tivesse continuidade e destacou a possibilidade da criação de um fórum permanente. “Precisamos encontrar um caminho de discussão em busca de resultados positivos”, afirmou.  

Felix Rosenberg destacou a importância de que se crie uma rede. “Tenho certeza que assim nossa sociedade vai se transformar muito rápido. Então faço um forte apelo à participação e a continuidade deste trabalho”. 

O encerramento da Jornada da Posse teve uma apresentação de um conjunto de sopros com alunos da Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí (OCPIT).  

A próxima Jornada Ciência e Comunidade está prevista para ocorrer em novembro na Vila Rica. O tema que será debatido será a gestão do lixo.

 

 

Documentário "Ciência e Comunidade: Juntos em busca do direito à cidade"

 

"Ciência e Comunidade: Juntos em busca do direito à cidade" - Íntegra

 

Links para o Documentário, para a gravação do evento na íntegra e para o Cadernos do Itaboraí Volume 6 com a transcrição do evento:

 

 

 

Fórum Itaboraí Sedia Seminário Internacional Sobre Equidade Em Saúde Da IANPHI

 

Jornada Ciência e Comunidade chega à Posse neste mês de agosto com o tema: “Direito à cidade”

Evento promovido pelo Fórum Itaboraí em parceria com a Prefeitura de Petrópolis e moradores será no dia 29 de agosto, na Praça CEU. Para participar, é necessário fazer a inscrição

Aline Rickly e Luiz Pistone(Fórum Itaboraí) - Publicado em 17/08/2023

A Jornada Ciência e Comunidade chega ao distrito da Posse neste mês de agosto. O evento é uma iniciativa do Fórum Itaboraí e está em sua segunda edição. O objetivo é aproximar a ciência das populações, promovendo um amplo debate sobre assuntos de relevância social. A Jornada da Posse, construída em parceria com os moradores e com apoio da Prefeitura de Petrópolis, será no dia 29 de agosto, com o tema: "Direito à cidade", e foco em dois eixos principais: mobilidade e moradia. O evento é gratuito, porém devido ao número limitado de vagas, para participar é necessário fazer a inscrição neste link.
 
O tema Direito à Cidade está inserido no Objetivo do Desenvolvimento Sustentável (ODS), número 11: "Cidades e Comunidades Sustentáveis", que tem como meta tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis. A primeira jornada, em janeiro deste ano no Quitandinha, discutiu o ODS número 2, sobre combate à fome.
 
O objetivo das jornadas é buscar caminhos para o Bem Viver, criando um espaço para que temas de grande relevância social sejam debatidos. “E que, juntos, comunidade, ciência e poder público encontrem e proponham soluções para enfrentar o problema apontado", diz Felix Rosenberg, diretor do Fórum Itaboraí.
 
O evento será das 13h às 18h. A abertura será com a apresentação do grupo do Teatro do Oprimido do Fórum Itaboraí, seguida da palestra "Direito à cidade e à moradia" com Kelson Senra, que é arquiteto, doutor em planejamento urbano pela UFF, mestre em Geografia pela Universidade de Brasília e que já foi secretário de Habitação em Petrópolis, conhecendo a realidade local.
 
Depois, Itamar Silva irá abordar o tema: "A comunidade e as políticas públicas". Itamar foi diretor do Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (Ibase) por 10 anos; é jornalista, estudioso e líder da questão habitacional nas favelas do Rio de Janeiro.
 
Em seguida, a apresentação será da arquiteta e urbanista Layla Talin, professora da Universidade Católica de Petrópolis e chefe do Departamento de Planejamento Urbano da Prefeitura. Após as apresentações, haverá uma mesa de debates. O encerramento do evento terá a apresentação do grupo de sopros da Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí.
 
Oficina de bordados e contação de histórias 

A Praça CEU contará com uma oficina de bordados com as bordadeiras do Brejal, das 10h às 12h, como pré-evento da jornada. Os interessados em participar devem preencher a informação, que consta no formulário de inscrição do evento. As vagas são limitadas. Também haverá oficinas de contações de histórias com alunos das escolas municipais da Posse, que agendaram a participação.

 

Programação 

10h - 12h – Oficina de bordado com as “Bordadeiras do Brejal” 

13h – 13h30 – Abertura 

13h30 – 14h10 – Teatro do Oprimido 

14h10 – 14h30 – Palestra – Direito à Cidade e à Moradia - Kelson Senra – Consultor técnico do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano da Região Metropolitana do Rio de Janeiro, ex-Secretário de Habitação do Município de Petrópolis  

14h30 – 14h40 – Perguntas  

14h50 – 15h10 – Palestra – A comunidade e as políticas públicas - Itamar Silva - líder comunitário, jornalista, diretor do Ibase por 10 anos, estudioso e líder da questão habitacional nas favelas  

15h10 – 15h20 – Perguntas  

15h20 – 15h50 – Palestra – Layla Talin – Arquiteta e Urbanista, chefe do Dep. de Planejamento Urbano da Prefeitura Municipal de Petrópolis  

15h50 – 16h30 – Debate  

16h30 – 17h00 – Encerramento Sopros da Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí (OCPIT)

 

 

Fiocruz divulga vagas para estágio

Em Petrópolis, oportunidades são para estudantes de Ciências Biológicas e Ciência da Informação ou Biblioteconomia

Aline Rickly e Luiz Pistone (Fórum Itaboraí) - Publicado em 08/08/2023

A Fiocruz está divulgando vagas para estágio, com três oportunidades para o Fórum Itaboraí, em Petrópolis. Duas vagas são para estudantes de Ciências Biológicas, sendo uma não obrigatória e uma obrigatória. A outra é para alunos de Ciência da Informação ou Biblioteconomia, com uma vaga não obrigatória. As inscrições podem ser feitas até o dia 17 de agosto. 

 

O processo seletivo conta com três etapas: 1) análise de pré-requisitos, 2) análise curricular e documental e 3) entrevista, provas e/ou dinâmicas de grupos.  

 

Os estudantes aprovados dentro do número de vagas serão convocados pelo agente integrador para procedimentos admissionais. Somente iniciam o estágio após envio da documentação completa e os termos assinados por todas as partes.  

 

Os interessados pela vaga obrigatória devem fazer a inscrição neste link. Já os candidatos para as vagas não obrigatórias devem se inscrever por meio deste link.

Fórum Itaboraí e Prefeitura de Petrópolis firmam mais uma parceria para políticas públicas na periferia

Projeto fortalece ações intersetoriais: transformando vidas por meio da saúde

Aline Ricly e Luiz Pistonee (Fórum Itaboraí) - Publicado em 03/08/2023

O Fórum Itaboraí (Fiocruz) e a Prefeitura de Petrópolis firmaram mais uma importante parceria: o acordo de cooperação técnica para o desenvolvimento do projeto “Fortalecimento das ações intersetoriais em territórios de elevada fragilidade social”. A iniciativa tem como objetivo principal promover a saúde, prevenir agravos e doenças, além de transformar a realidade desses territórios por meio da gestão participativa socioambiental e do direito humano.

“Para alcançar seus objetivos, o projeto irá se basear em uma abordagem participativa, engajando a comunidade e promovendo ações intersetoriais. Um dos primeiros passos será a realização de um Diagnóstico Participativo das condições de saúde, bem-estar social e ambiente, levando em consideração o Direito à Cidade e a Agenda 2030. Esse diagnóstico vai permitir a identificação das principais demandas e potencialidades locais, subsidiando as ações futuras”, explica o prefeito Rubens Bomtempo.

Com base nesse documento, o projeto irá se concentrar no desenvolvimento e fortalecimento da promoção da saúde, da gestão socioambiental e do direito à cidade nos territórios mais vulneráveis de Petrópolis. Além disso, serão criados e fortalecidos os Fóruns Comunitários e Conselhos Locais de Saúde.

“Um aspecto fundamental do projeto é a colaboração entre diferentes setores. Dessa forma, as secretarias municipais, principalmente as de Saúde e Assistência Social, assim como Educação e Meio Ambiente, serão envolvidas para promover ações intersetoriais efetivas. Essa abordagem colaborativa visa atender às necessidades da população de forma integrada, considerando a interdependência entre os diversos determinantes da saúde”, complementa Bomtempo.

Felix Rosenberg, diretor do Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na saúde, unidade da presidência da Fiocruz em Petrópolis, destaca que este acordo é a continuidade de diversos arranjos entre a Fiocruz e a Prefeitura de Petrópolis desde a criação do Fórum Itaboraí em 2011. “Agora com maior profundidade porque consegue integrar as secretarias de Assistência Social e Saúde, tornando os trabalhos nas comunidades mais abrangentes, profundos e permitindo enfrentar de melhor maneira as desigualdades sociais como determinantes dos problemas de saúde”, diz.

Secretário de Saúde do município, Marcus Curvelo ressalta que o projeto representa um marco importante para a promoção da saúde. “Por meio de uma abordagem participativa, buscamos transformar a realidade desses territórios, fortalecendo a comunidade, promovendo ações intersetoriais e garantindo o direito humano à saúde e ao bem-estar social, com o engajamento de todos os envolvidos”, afirma.

A gestão do projeto é compartilhada entre a Fiocruz e a Prefeitura de Petrópolis. Ambas as partes são responsáveis pela coordenação, fiscalização, controle, acompanhamento e cumprimento do objeto do acordo. Para isso, são previstas reuniões periódicas e relatórios para garantir o monitoramento adequado das atividades e o alcance dos resultados esperados.

Alunos e ex-alunos da OCPIT participam da Caravana Sinos em Teresópolis

Caravana ocorreu nos dias 27, 28, 29 e 30 de julho
Aline Ricly e Luiz Pistone (Fórum Itaboraí / Fiocruz) / Publicado em 01/08/2023
 

Alunos e ex-alunos da Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí (OCPIT) participaram da Caravana Sinos, do Sistema Nacional de Orquestras Sociais, em Teresópolis, que ocorreu nos dias 27, 28, 29 e 30 de julho.

 

A OCPIT também integrou a Camerata Sinos para o concerto de encerramento no dia 30, no Teatro Higino, sob a regência do maestro Roberto Duarte. 

 

Durante os quatro dias da caravana foram oferecidas aulas gratuitas para alunos de projetos sociais e seus regentes. As atividades foram conduzidas pelos professores: Daniel Guedes (Violino), Talita Vieira (Violino iniciante), Dhyan Toffolo (Viola), Mateus Ceccato, (Violoncelo), Vóila Marques (Contrabaixo) e Roberto Duarte (Regência e Prática de Orquestra). 

O Sinos é parte do programa “Toda Gente”, parceria da Funarte com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). O foco da caravana é a capacitação de professores e monitores, alunos, instrumentistas e regentes das orquestras dos projetos sociais, com aulas dedicadas ao ensino e a prática de diferentes instrumentos e à regência.

 

 

 

Agricultores de Petrópolis e a equipe do Fórum Itaboraí visitam Fazendinha Agroecológica em Seropédica

Experiência permitiu contato com práticas agroecológicas e tecnologias sociais
Aline Ricly e Luiz Pistone (Fórum Itaboraí / Fiocruz) / Publicado em 06/06/2023
 

Agricultores do Bonfim, Brejal e do Quilombo Boa Esperança participaram no dia 5 de junho de uma vivência na Fazenda Agroecológica km 47, em Seropédica, junto à equipe do Fórum Itaboraí. A experiência permitiu o contato com práticas agroecológicas e tecnologias sociais.

De acordo com Lucia Helena Almeida, agrônoma do Fórum Itaboraí, estes são conceitos que levam a uma agricultura mais amigável, com a produção de alimentos saudáveis.

Durante o encontro, os participantes tiveram a oportunidade de compartilhar diversos conhecimentos sobre sementes e materiais reprodutivos de espécies vegetais alimentícias.

Além disso, foram abordados outros temas como: cuidados com doenças e pragas nos cultivos, produção de mudas de hortaliças, adubação verde, quintal agroecológico, fruticultura e produção intensiva de hortaliças.

A visita também contou com a presença de integrantes do Movimento de Pequenos Agricultores (MPA) e da equipe da Agenda Agroecologia e Saúde da Fiocruz.

 

 

 

Encontro no Palácio Itaboraí reúne técnicos e representantes comunitários para discutir a implantação da unidade demonstrativa de Saúde da Família na Comunidade Oswaldo Cruz, em Petrópolis

Reunião aconteceu na manhã desta terça-feira (23) e contou com a participação de equipes da da Prefeitura, da Fiocruz, e de moradores das Comunidades de Oswaldo Cruz e da Vila São José

Aline Ricly e Luiz Pistonee (Fórum Itaboraí) - Publicado em 23/05/2023

Um encontro no Palácio Itaboraí na manhã desta terça-feira (23) reuniu autoridades e técnicos da Prefeitura e da Fiocruz e representantes comunitários para discutir a implantação de uma unidade demonstrativa de Saúde da Família na Comunidade Oswaldo Cruz, em Petrópolis, mediante a gestão compartilhada entre a Secretaria de Saúde e a Fiocruz. 

Na ocasião, foi apresentado o resultado do Diagnóstico Rápido Participativo (DRP), feito pela equipe do Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde, da Fiocruz em Petrópolis. Nele, foram apontadas as principais demandas da Comunidade Oswaldo Cruz e da Vila São José, territórios que serão atendidos pela unidade de saúde. Em um clima de colaboração, foram ressaltados pontos de atenção e a necessidade de uma atuação intersetorial, como a preocupação ainda com questões ambientais. 

Felix Rosenberg, diretor do Fórum Itaboraí, ressaltou a importância desta unidade de saúde para o território, garantindo o acesso daquela população - que enfrenta diversos desafios, como dificuldade de acesso e de transporte - à atenção básica. Ele acredita que este projeto poderá constituir um modelo inovador que possa ser reproduzido em outros territórios já que é a primeira vez que uma nova unidade de saúde se organiza a partir de uma consulta ampla da população usuária. A ideia é reforçada por Anamaria Corbo, diretora da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio da Fiocruz (EPSJV). “A gente trabalha no Brasil inteiro, então talvez o que a gente vai construir aqui pode ser piloto de estratégias, de pensar em outros lugares do estado do Rio de Janeiro, do nosso país”, afirma. 

Vice-presidente da Fiocruz de Ambiente, Atenção e Promoção da Saúde (VPAAPS), Hermano Castro destaca que a experiência de implantação desta unidade será enorme, com a Secretaria de Saúde passando o que tem de melhor para o sistema local e agregando aquilo que a Fiocruz pode levar de informação e de formação, potencializando as ações de saúde. “Eu acho que esse é o sentido dessa reunião, potencializar, melhorar e levar a saúde pública para todos, com integralidade, equidade, tudo o que a gente defende como princípio básico”, afirma.

Durante a reunião, que durou mais de duas horas, o prefeito Rubens Bomtempo ressaltou que o processo para instalação da unidade está caminhando e que em breve o resultado estará concretizado. “E, a partir de então, novos desafios vão surgindo. Saindo do campo das ideias, do que estamos imaginando e o campo real sempre tem muitos ajustes a serem realizados”, disse. 

Marcus Curvelo, secretário municipal de Saúde, acrescenta que a implantação deste PSF será uma etapa importante. “A gente vê as políticas públicas se aproximando da sociedade, da comunidade, e especificamente dos indivíduos, da família, reduzindo as grandes desigualdades existentes”, destacou. 

Quem também participou do encontro foi o diretor da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, da Fiocruz (ENSP), Marco Menezes. Para ele, o início conjunto do processo, com a participação da comunidade e do poder público, é fundamental. “Este é um momento muito importante de integração institucional, de experiência coletiva, de aprendizado. Pensar essas inovações, certamente vai trazer impacto para o município, logo para outras áreas, para outras regiões”, diz. 

Moradores das comunidades que serão atendidas pela unidade estão na expectativa. Segundo o presidente da Associação de Moradores da Comunidade Oswaldo Cruz, Reinaldo de Souza Santos este será um avanço importante para a região. “A gente nunca teve um posto de saúde. E temos moradores acamados, muitos idosos, pessoas com deficiência, então ter essa unidade será muito importante”, diz. Leda Lopes Serrano, presidente da Associação de Moradores da Vila São José lembra que os moradores do território precisam fazer grandes deslocamentos para ter atendimento médico. “A inauguração dessa unidade mais próxima será um sonho que será realizado”, conclui.

 
 
 

 

Fórum Itaboraí inaugura primeira unidade de saneamento ecológico no Quilombo Boa Esperança

Iniciativa faz parte do projeto Ará, que tem como objetivo o desenvolvimento sustentável e a promoção da saúde em populações fragilizadas e comunidades tradicionais
Aline Ricly e Luiz Pistone (Fórum Itaboraí / Fiocruz) / Publicado em 22/05/2023
 

O Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde, da Fiocruz em Petrópolis, inaugurou, na última sexta-feira (19), a primeira unidade demonstrativa de saneamento ecológico no Quilombo Boa Esperança, no município de Areal. A iniciativa faz parte do projeto Ará, que tem incentivado a incorporação de tecnologias sociais, a geração de trabalho e renda, a organização comunitária e a segurança alimentar e nutricional de famílias agricultoras em três regiões do Rio de Janeiro e São Paulo.
 
O Quilombo Boa Esperança é composto por, aproximadamente, 400 pessoas e a necessidade da implantação de saneamento básico foi uma das principais demandas da comunidade, reforçada pelo Diagnóstico Rápido Participativo (DRP), feito pela equipe do Fórum Itaboraí durante o ano de 2022. Foi observado que as condições da proteção das nascentes e dos poços artesianos que abastecem as casas, assim como a captação do recurso hídrico pela comunidade, eram precárias e geradoras de doenças.
 
Inicialmente, com objetivo de reduzir os problemas de saúde provocados pela contaminação das nascentes e da distribuição da água, o projeto providenciou a aquisição e distribuição de filtros de barro para todas as famílias, além da adequada orientação sobre a manutenção das velas (clique aqui para ver o vídeo).
 
Paralelamente, começou a construção da primeira unidade de saneamento, o Tanque de Evaporação (TEvap) que foi feito na casa de Rosemary de Souza Silva, na localidade de Morro da Pedra. As obras tiveram duração de 45 dias.

 

Especialista em engenharia ambiental, Tatsuo Shubo, da Escola Nacional de Saúde Pública “Sergio Arouca” (ENSP) da Fiocruz, explica que o TEvap recebe todo o efluente que sai do esgoto, do vaso sanitário, e entra numa caixa estanque. O tanque construído tem 10 metros quadrados de área e 1,20m de profundidade. “Nele, a gente coloca cascalho, pedra de mão, areia fina e solo. Ali, a gente planta a bananeira porque ela tem maior capacidade de evaporação. Com isso, não tem nenhum efluente saindo para o solo e nem contaminando os recursos hídricos”, afirma.

 

O TEvap é conectado ainda a um círculo de bananeiras. De acordo com o especialista, isso para que em um período mais chuvoso o tanque tenha para onde extravasar. Esse círculo recebe toda a água das pias da cozinha e do banheiro e do boxe, para tratamento biológico, e o excesso de água também vai evaporar.    

Quem comemora a implantação do TEvap é a própria Rosemary. Aos 38 anos, ela é mãe de quatro filhos e diz que sempre sonhou em ter um sistema de saneamento. ”Estou sentindo uma emoção muito grande. Eu sempre quis ter uma fossa aqui, mas não tinha dinheiro para pagar o material. É um benefício enorme e não vou ter mais aquela preocupação de estar contaminando a água”, disse.

 

Depoimento de Tatsuo Shubo, especialista em engenharia ambiental da Escola Nacional de Saúde Pública - ENSP

Diretor do Fórum Itaboraí, Felix Rosenberg destaca que a inauguração desta unidade de saneamento é um dos resultados concretos do projeto Ará. “É a primeira instalação física de um sistema unifamiliar de saneamento e que vai ser reproduzido nas cinco localidades do Quilombo Boa Esperança. Depois, daremos apoio material e técnico para que a própria comunidade assuma a construção destas unidades de saneamento para todas as famílias. Nós acreditamos que, em um prazo de 12 meses, se contarmos com apoio da prefeitura também, toda a comunidade esteja com sistema de saneamento e acesso à água potável”, ressalta.

Depoimento de Felix Rosenberg, diretor do Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde - Programa da presidência da Fiocruz em Petrópolis/RJ

Celso da Cruz Fonseca é um dos líderes do Quilombo

Aos 65 anos, Celso da Cruz Fonseca é um dos líderes do Quilombo e considera a inauguração desta unidade de saneamento como uma contribuição importante para a comunidade. “Estou muito feliz com esse trabalho. A gente tem que cuidar do nosso território, que é sinônimo de liberdade, para as futuras gerações”, diz.   

 

Já a coordenadora geral da Associação do Quilombo do Boa Esperança, Natália Lima, destaca a necessidade da iniciativa. “Essa fossa é a proteção da nossa água, das nossas nascentes. A comunidade precisa dessa ação já que quase nenhuma casa tem saneamento aqui”, reforça.

 

 

O projeto Ará  

O projeto Ará é coordenado pela Vice-Presidência de Ambiente, Atenção e Promoção da Saúde (VPAAPS) da Fiocruz e é realizado de forma integrada com três programas territoriais: o Fórum Itaboraí, a Fiocruz Mata Atlântica e o Observatório de Territórios Sustentáveis e Saudáveis da Bocaina - fruto da parceria entre a Fiocruz e o Fórum de Comunidades Tradicionais (FCT). O projeto também conta com a participação da Embrapa e da Articulação Nacional de Agroecologia.

 

O TEvap recebe todo o efluente que sai do esgoto, do vaso sanitário, e entra numa caixa estanque. O tanque construído tem 10 metros quadrados de área e 1,20m de profundidade

Restrições durante período de obras no Palácio Itaboraí

O Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde iniciou uma série de reformas estruturais e obras de manutenção patrimonial em sua sede, o Palácio Itaboraí.

Luiz Pistone (Fórum Itaboraí) - Publicado em 18/05/2023

Com o objetivo de prezar pela segurança de todos, a administração informa que poderá haver restrições temporárias para agendamentos e realizações de atividades que aumentem o fluxo de pessoas nas suas dependências.

 As restrições irão variar de acordo com o cronograma de obras, previsto para terminar no primeiro trimestre de 2024.

 Dúvidas devem ser enviadas para o e-mail forumitaborai@fiocruz.br.

 Cabe ressaltar que o expediente do Fórum Itaboraí não será afetado.

 
 

 

Fórum Itaboraí inicia nova formação de multiplicadores do Teatro do Oprimido

Técnica busca a transformação social. Curso tem duração de oito meses e conta com participantes de diversas comunidades de Petrópolis

Aline Ricly e Luiz Pistone (Fórum Itaboraí/Fiocruz)Publicado em 04/05/2023

Começou no Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde, escritório da Fiocruz em Petrópolis, a nova formação de multiplicadores do Teatro do Oprimido (TO). A turma conta com participantes de diferentes faixas etárias e comunidades de Petrópolis, como Vila Rica, Amazonas e Independência.

As aulas são sempre às sextas-feiras e têm como objetivo capacitar esses participantes para que possam multiplicar as técnicas aprendidas formando turmas do TO em suas comunidades. Ministrado pela professora Thaís Paiva, do Fórum Itaboraí, o curso tem duração de oito meses. “O TO promove, através do teatro, a participação popular para a transformação social”, explica Thaís.

A tia Lili, do bairro Vila Rica, tem 65 anos e é uma das participantes do curso. Ela conta que o interesse surgiu após participar da peça do TO na Jornada Ciência e Comunidade no bairro Amazonas, cujo tema foi o combate à fome. “Vejo as aulas do TO como uma oportunidade de ter mais acesso a informações sociopolíticas, além de ter esse contato com pessoas de outras comunidades. Isso nos faz ver que não estamos sozinhos e que também têm outras pessoas buscando esse conhecimento”, afirma.

Sobre o Teatro do Oprimido

O Teatro do Oprimido é uma metodologia criada por Augusto Boal, teatrólogo brasileiro. A ideia é democratizar os meios de produção do teatro e proporcionar a transformação política e social. Na prática, a técnica leva a apresentações de situações opressoras e busca transformá-las, assim como despertar o sentimento de cidadania entre os atores, atrizes e a plateia.

Nesta nova turma do Fórum Itaboraí, o objetivo é abordar questões sociais locais vivenciadas pelos participantes em suas respectivas comunidades através das técnicas do Teatro do Oprimido e formá-los para que sejam multiplicadores desse aprendizado em seus territórios.

Fórum Itaboraí promove curso de atualização para assistentes sociais de Petrópolis

Abertura do curso ocorreu na manhã da última sexta-feira (28). A iniciativa tem parceria das Secretarias de Assistência Social e de Saúde

Aline Ricly e Luiz Pistone (Fórum Itaboraí/Fiocruz)Publicado em 02/05/2023

Assistentes sociais das secretarias de Saúde e Assistência Social de Petrópolis começaram na última sexta-feira (28) o curso de atualização em Política em Saúde e Desenvolvimento Social, promovido pelo Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde, sede da Fiocruz em Petrópolis, em parceria com as secretarias municipais de Assistência Social e Saúde. Ao todo, 25 profissionais vão participar da capacitação.

Segundo a servidora da Fiocruz e coordenadora do curso, Mel Bonfim, o objetivo é incentivar uma visão crítica e estratégica das assistentes sociais sobre as políticas que determinam a transformação do território e as condições de seus habitantes, fortalecendo a abordagem intersetorial e comunitária e ampliando a dimensão coletiva da Saúde e da Assistência Social.

Durante o ato da abertura do curso, o diretor do Fórum Itaboraí, Felix Rosenberg, lembrou que as desigualdades sociais determinam as condições de saúde, sendo portanto necessária a ação intersetorial e o intenso envolvimento da comunidade organizada. “É por isso que iniciativa da capacitação para fortalecer o trabalho da assistência social dos vários setores do poder público municipal se torna excepcional ao permitir analisar e comprender junto com a nossa equipe de assistentes sociais, como atuar melhor nas comunidades e contribuir para a transformação social e a redução das desigualdades como requisito básico para melhorar a saúde no âmbito do município. Temos a certeza que esta iniciativa contribuirá significativamente para a formação e o crescimento profissional em Petrópolis”, disse.

Já o secretário de Saúde, Marcus Curvelo, destacou que é fundamental a parceria entre o município e o Fórum Itaboraí e ressaltou o papel essencial das assistentes sociais, inclusive durante a pandemia de covid-19 e após as tragédias de fevereiro e março de 2022. “Vejo este curso como uma oportunidade de um processo de educação permanente voltado especificamente para termos sensíveis e muitos caros do ponto de vista das desigualdades sociais e de como isso afeta a saúde coletiva”, diz.

O curso tem previsão de ocorrer até o mês de outubro. As aulas são quinzenais, às sextas-feiras, das 9h às 12h, no Palácio Itaboraí, que fica na Rua Visconde de Itaboraí, nº 188, no Valparaíso.

 

 

Visitas a exposições temporárias e a Trilha do Arboreto podem ser agendadas pelo Portal de Serviços do Governo Federal

Ferramenta permite a consulta e a solicitação de agendamento dos serviços

Luiz Pistone (Fórum Itaboraí/Fiocruz)Publicado em 19/04/2023

A Fundação Oswaldo Cruz possui serviços integrados ao “Portal de Serviços”, uma plataforma do Governo Federal que permite não apenas a consulta de informações como também possibilita a solicitação, o acompanhamento e a avaliação de alguns destes serviços.

Através da ferramenta, qualquer cidadão pode realizar o agendadamento, tirar dúvidas e avaliar o serviço prestado diretamente do computador, tablet ou smartphone.

 

A visita ao Palácio Itaboraí oferece essa facilidade para a visitação para diversas mostras e exposições temporárias além da visita guiada à Trilha do Arboreto, uma exposição viva e permanente da biodiversidade vegetal. Para utilizar, o interessado deverá ter cadastro ativo no portal gov.br.

 

Todas as solicitações e acompanhamento dos agendamentos deverão ser realizados através da plataforma conforme orientações abaixo (clique na imagem para ampliar). Clique aqui para fazer a sua solicitação

 

 

Caso tenha alguma dificuldade para utilizar o sistema, envie um email para forumitaborai@fiocruz.br com o assunto "Ajuda para solicitação de visita através da plataforma GOV.BR"

Curso de aperfeiçoamento em Educação Popular em Saúde 2023 (EdPopSUS) tem início em Petrópolis

Capacitação é feita pela Fiocruz e direcionada a profissionais de saúde e lideranças comunitárias do município

Aline Ricly e Luiz Pistone (Fórum Itaboraí/Fiocruz)Publicado em 05/04/2023

Iniciado na última terça-feira (4) o curso de aperfeiçoamento em Educação Popular em Saúde (EdPopSUS) é fruto de parceria entre a Fiocruz - através do Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde e da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio - da Prefeitura Municipal e da Secretaria Estadual de Saúde. 

Além de promover a troca de informações entre os alunos, o objetivo do EdPopSUS é possibilitar a qualificação da prática educativa de profissionais de saúde e lideranças comunitárias nos territórios de Atenção Básica.  

O curso é ministrado em Petrópolis há dez anos. Para esta nova turma, de 2023, recebeu 40 inscrições de agentes comunitários de saúde e lideranças comunitárias de nove comunidades de Petrópolis: Independência, Alto da Serra, Meio da Serra, Comunidade São João Batista, Vale das Videiras, Castelo São Manoel, Moinho Preto, Vila Rica e Fazenda Inglesa, além de lideranças comunitárias das comunidades Oswaldo Cruz e São José. 

A capacitação será realizada toda terça-feira, das 8h às 17h, no Palácio Itaboraí, no Valparaíso. A previsão é de que o curso seja concluído em 25 de julho, com a Amostra Estadual de Educação Popular que será realizada na Escola Politécnica Joaquim Venâncio. 

“Estamos sempre buscando melhorias para a Saúde do nosso município e com essa capacitação, os participantes poderão transmitir tudo o que aprenderam para os colegas que atuam em suas respectivas áreas”, explica o prefeito Rubens Bomtempo.  

Para o secretário de Saúde, Marcus Curvelo, o curso promove a integração entre os profissionais de diferentes equipes de Estratégia Saúde da Família e da Vigilância em Saúde. “Isso porque, entendemos que a participação social no SUS  contribui para o fortalecimento das ações de prevenção e promoção à saúde”.   

Palácio Itaboraí terá roda de conversa sobre graduação em música com universitários

 

Evento, aberto ao público, será no dia 25 de março, às 16h30. Para participar é preciso fazer a reserva pelo whatsapp

Aline Ricly (Fórum Itaboraí/Fiocruz)Publicado em 17/03/2023

O Fórum Itaboraí promove no próximo sábado (25), no Palácio Itaboraí, uma roda de conversa com o tema: “Graduação em música – bate-papo com universitários”. O evento, aberto ao público, será às 16h30 e vai abordar informações sobre ingresso em faculdades públicas, políticas de apoio estudantil e mercado de trabalho. Os interessados em participar deverão fazer a reserva pelo whatsapp.

O objetivo da roda de conversa é promover a troca de experiências entre jovens que estão na universidade e aqueles que têm o desejo de seguir carreira acadêmica em música.

Na ocasião, serão apresentadas informações de como se preparar para o Teste de Habilidade Específica, THE, etapa obrigatória dos vestibulares de música das Universidades Públicas. Além disso, os alunos terão acesso a outros detalhes como quais universidades oferecem graduação em música e qual o perfil de cada curso.

O Palácio Itaboraí fica na Rua Visconde de Itaboraí, nº 188, no Valparaíso. As reservas para o evento podem ser feitas pelo whatsapp: (24) 2103-2181.

 

 

Páginas