Rodas de conversa: Olhares pela Agricultura Urbana 2021

Terceiro encontro online promovido pela Fiocruz em Petrópolis reunirá experiências de práticas de agricultura urbana em Petrópolis

Thaís Ferreira (Fórum Itaboraí / Fiocruz) / Publicado em 23/04/2021

Depois de promover conversas sobre “avanços e entraves para a promoção da saúde e da segurança alimentar” e, também, sobre “o marco legal e políticas públicas para agricultura urbana”, o terceiro encontro online das Rodas de Conversa - Olhares pela Agricultura Urbana discutirá iniciativas que mostram como tudo isso vem acontecendo, na prática, em Petrópolis. Promovido pelo o Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde, programa especial da presidência da Fiocruz em Petrópolis, o encontro acontece no próximo sábado, 24 de abril, de 9h30 às 11h30 e será transmitido pelo nosso canal no YouTube.

O objetivo das rodas de conversa é promover trocas de experiências no âmbito da agricultura urbana, por meio de debates virtuais sobre saúde, segurança alimentar, organização comunitária e direito à cidade. A iniciativa visa, ainda, proporcionar condições para ampliação das práticas da agricultura urbana nos territórios de Petrópolis, principalmente durante a pandemia da Covid-19. Dentre os convidados para o encontro deste sábado estão líderes comunitários, gestores públicos, profissionais do segmento e representantes da sociedade civil, que compartilharão ações em curso desenvolvidas pela Secretaria Municipal de Assistência Social, pelo Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional de Petrópolis e por comunidades petropolitanas em parceria com o Fórum Itaboraí. “Nossa ideia é dar mais visibilidade e conectar propostas e experiências que contribuem para reduzir as vulnerabilidades sociais geradoras de insegurança alimentar e de fragmentação comunitária agravadas pela pandemia”, explica a agrônoma Lucia Helena Almeida, da equipe do Programa de Biodiversidade, Saúde e Agroecologia do Fórum Itaboraí. “Será também um momento de interação entre entidades e grupos do nosso município que atuam com a temática, para que juntos possamos estabelecer uma agenda estratégica na direção de contribuir e efetivar a regulamentação da lei municipal que versa sobre a agricultura urbana”, acrescenta a agrônoma.

Na ocasião, o Fórum Itaboraí lançará, ainda, um cadastro simplificado para mapear práticas de agricultura em espaços urbanos da cidade (disponível aqui). O objetivo é ampliar o conhecimento sobre experiências com quintais socioprodutivos e hortas comunitárias no município e, ao mesmo tempo, estimular a formação de uma rede colaborativa para agricultura urbana, com base nos princípios da Agroecologia.

Em Petrópolis, o Fórum Itaboraí vem trabalhando em articulação com comunidades, tanto para trocas de conhecimento técnico em agricultura urbana – incluindo o cultivo propriamente e a gestão de resíduos orgânicos – quanto para o fortalecimento de laços comunitários, para o incremento da segurança nutricional e para a redução da vulnerabilidade socioambiental dos moradores dos territórios envolvidos.

Na roda de conversa estarão: - Rosane Cross, Secretária da Assistência Social de Petrópolis; Talita Berti, Presidente do Conselho Municipal de Segurança Alimentar, e Amilton Oliveira, líder comunitário da Primeiro de Maio/Madame Machado, em Itaipava. A mediação será de Claudemar Mattos. 

 

Cadastro simplificado de comunitários com práticas de agricultura em espaços urbanos de Petrópolis

Fórum Itaboraí pretende ampliar ações de apoio aos quintais sócios produtivos e às hortas comunitárias e estimular a formação de uma rede colaborativa para a prática de agricultura urbana, com base nos princípios da Agroecologia

Publicado em 22/04/2021

Você planta alguma coisa no seu quintal ou numa horta na sua comunidade?

Com a pandemia de COVID-19, os problemas de subnutrição cresceram e ficaram mais evidentes. Pudemos constatar também maior dificuldade de parte da população para acessar medicamentos, principalmente os de uso continuado. O distanciamento social, que, já sabemos, ajuda a reduzir o contágio pelo coronavírus, é muitas vezes inviável em muitas famílias, principalmente aquelas que vivem em comunidades e periferias das cidades. Ou seja, as dificuldades econômicas, agora reforçadas pela pandemia, aumentaram muito os problemas e dilemas de boa parte da população brasileira, principalmente pela falta de um programa eficaz de auxilio emergencial, tanto para as famílias quanto para os pequenos comerciantes.

Por isso, a agricultura familiar urbana e nas periferias das cidades surge como uma das principais respostas para a sobrevivência em tempos de pandemia. E não só isso: é também um verdadeiro instrumento de transformação comunitária!

Porque além de encarar de frente a subnutrição, a produção urbana e periurbana de alimentos e de plantas medicinais tem diversos outros benefícios:

* promove uma alimentação mais saudável;

* reduz os custos tanto com a compra de alimentos quanto de medicamentos comerciais (muitas vezes não realmente necessários);

* fortalece os laços familiares;

* ajuda a preservar o meio ambiente;

* permite fortalecer os vínculos de solidariedade comunitária.

O Fórum Itaboraí: Política Ciência e Cultura na Saúde, um programa da presidência da Fiocruz em Petrópolis, vem trabalhando já faz algum tempo em temas e práticas relacionadas à Agricultura Urbana com algumas comunidades petropolitanas. No meio dessa pandemia, está realizando um cadastro para conhecer as práticas agroecológicas em espaços urbanos no município – tanto as que envolvem o cultivo de alimentos como as de plantas medicinais.

Com as informações levantadas neste cadastro, o Fórum Itaboraí pretende ampliar as suas ações de apoio aos quintais sócios produtivos e às hortas comunitárias. Ao mesmo tempo vai estimular a formação de uma rede colaborativa para a prática de agricultura urbana, com base nos princípios da Agroecologia.

Clique aqui para se cadastrar!

As informações disponibilizadas serão utilizadas exclusivamente por nossa equipe para a finalidade informada. Seus dados pessoais não serão compartilhados com outras pessoas, projetos ou instituições.

SUA RESPOSTA SERÁ DE EXTREMA IMPORTÂNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA URBANA EM PETRÓPOLIS!

 

Rodas de conversa: Olhares pela Agricultura Urbana 2021

Segundo encontro online promovido pelo Fórum Itaboraí debaterá políticas públicas e legislação para o segmento.

Thaís Ferreira (Fórum Itaboraí / Fiocruz)Publicado em 26/03/2021

O marco legal e políticas públicas para agricultura urbana serão os temas debatidos no segundo encontro online que integra as Rodas de Conversa - Olhares pela agricultura urbana, no próximo sábado, 27 de março, de 9h30 às 12h. Promovido pelo o Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde, programa especial da presidência da Fiocruz em Petrópolis, o encontro será transmitido pelo canal da instituição no YouTube

O objetivo das rodas de conversa é proporcionar trocas de experiências no âmbito da agricultura urbana, promovendo o debate sobre saúde, segurança alimentar, organização comunitária e direito à cidade. A iniciativa visa, também, proporcionar condições para ampliação das práticas da agricultura urbana nos territórios de Petrópolis. Dentre os convidados para o encontro deste sábado estão gestores públicos, parlamentares e representantes da sociedade civil, que debaterão sobre legislação para o segmento e iniciativas bem-sucedidas que envolvem a gestão pública para a prática da agroecologia em espaços urbanos.  

Segundo o agrônomo Claudemar Mattos, da equipe do Fórum Itaboraí/Fiocruz-Petrópolis e membro da Articulação de Agroecologia do Rio de Janeiro (AARJ), debates como esse têm também a função de ampliar as perspectivas e os campos de articulação de pessoas interessadas em desenvolver quintais produtivos e hortas comunitárias.  “Além do apoio da Fiocruz e de outras instituições da sociedade civil engajadas em agricultura urbana, as pessoas começam a vislumbrar que podem contar também com um aparato legal e público para apoiar as iniciativas de cultivo nos espaços urbanos”, destaca o agrônomo, ressaltando, ainda, a oportunidade de desdobramentos. “Com o olhar de política pública, essa agricultura urbana que já vem ganhando espaço nos territórios fortalecendo a segurança alimentar, as práticas comunitárias e o estímulo da lida com a terra, proporcionando melhor conhecimento sobre os alimentos e as plantas medicinais, pode se desdobrar em outras ações com impacto positivo. Refiro-me à contenção de encostas, ocupação de terrenos baldios, implantação e aprimoramento da gestão de resíduos comunitários, feiras nos bairros, suprimento de alimentos para pequenas organizações comunitárias, entre outras. E, no médio e longo prazos, pode, também, oportunizar a geração de renda, tanto a direta como a que a gente chama de não monetária, quando envolve o autoconsumo”, explica Claudemar. 

O Fórum Itaboraí vem trabalhando em articulação com 10 comunidades petropolitanas, tanto para trocas de conhecimento técnico em agricultura urbana – incluindo o cultivo propriamente e a gestão de resíduos orgânicos – quanto para o fortalecimento de laços comunitários, para o incremento da segurança nutricional e para a redução da vulnerabilidade socioambiental dos moradores dos territórios envolvidos. “Na vila Frei Davi, na comunidade do Amazonas, por exemplo, esta experiência já aponta para mais de três toneladas de resíduos domésticos que deixaram de ir para o aterro sanitário, porque foram compostados pelos moradores”, celebra Claudemar. 

Na roda de conversa estarão: Daniela Adil, da Secretaria Municipal de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania – SMASAC, da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte; Bernadete Montesano, da Rede Carioca de Agricultura Urbana; Flávio Serafini – Deputado Estadual Representante da Frente Parlamentar em Defesa da Agroecologia do Estado do Rio de Janeiro; e Maurinho Branco – Vereador de Petrópolis, proponente da Lei Municipal 8049/2020. 

 

Fórum Itaboraí e Fiocruz Mata Atlântica promovem discussão sobre o direito à cidade em Comunidades de Petrópolis

 

Evento online reforça protagonismo de quem vive em periferias na construção de um plano de desenvolvimento urbano local

Thaís Ferreira (Fórum Itaboraí / Fiocruz) em colaboração com Elisandra Galvão (Fiocruz Mata Atlântica) / Publicado em 18/03/2021 14h43

No próximo sábado (20), das 9h às 12h, o Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde e o Programa de Desenvolvimento do Campus Fiocruz Mata Atlântica, ambos programas da presidência da Fiocruz, promoverão um encontro online para discutir o direito à cidade. Um tema amplo e com diversas facetas, que será abordado no contexto de duas comunidades de Petrópolis: Amazonas, no bairro Quitandinha, e Vila Rica, em Pedro do Rio. Com o título Direito à cidade: construindo um Plano de Desenvolvimento Urbano Local para Territórios Saudáveis, o encontro reunirá especialistas na temática, representantes de movimentos sociais e também pessoas que exercem papel de liderança nessas comunidades. O evento será transmitido pelo YouTube do Fórum Itaboraí (https://youtu.be/qBxAkKDdpf0) e a programação pode ser conferida abaixo.

Segundo o Diretor do Fórum Itaboraí, Felix Rosenberg, a iniciativa nasce com o propósito de ser um ciclo de encontros para debater o direito à cidade e a sua relação com a saúde, nas perspectivas de diferentes territórios petropolitanos do centro e da periferia. Territórios estes, que, desde 2017, vêm sendo mapeados pelas equipes do Fórum Itaboraí e da Secretaria Municipal de Saúde, com a participação de moradores das comunidades envolvidas. Denominado “Diagnóstico Rápido Participativo – DRP”, o trabalho possibilitou um retrato social dos territórios participantes a partir de diferentes visões e, desde então, vem subsidiando projetos e iniciativas de redução das desigualdades e de promoção da saúde nessas comunidades. De acordo com Rosenberg, o evento de sábado será uma primeira experiência “com o protagonismo da comunidade reconhecendo suas principais fragilidades e potencialidades, para que, com apoio de assessoramento profissional, possa elaborar projetos de transformação territorial local”, explica o diretor, ressaltando que, se bem sucedidos nessas comunidades, os eventos poderão despertar o interesse em outras de semelhantes condições de fragilidade urbana e social.

Para o coordenador do Programa de Desenvolvimento do Campus Fiocruz Mata Atlântica, Gilson Antunes, essa é uma oportunidade de ambas as unidades aprofundarem laços de complementariedade e o compartilhamento de aprendizados das experiências que desenvolvem. “Juntas, assumimos a missão explícita ou implícita de reduzir desigualdades sociais como determinantes das iniquidades em saúde e desenvolveremos projetos que respondam a princípios e pressupostos da promoção da saúde, incluindo a necessidade de fortalecimento do SUS e de acesso ao direito à cidade e à moradia digna em territórios vulneráveis”, conclui o coordenador.

 

Programação:

  • 9h às 10h | Mesa 1 | Direito à cidade 

    Rosangela Cavallazzi (UFRJ/PUC/Faperj) 

    Evaniza Rodrigues (liderança da União Nacional do Movimento por Moradia)  

  • 10h – Mesa 2 | A visão da realidade comunitária em experiências locais 

    Sergio Hammes (Comunidade de Amazonas) 

    Gisele Medeiros (Comunidade de Vila Rica)  

    11h |  Mesa 3 |  Metodologia para definição de planos locais 

    Sonia Carvalho (assistente social da equipe do Fórum Itaboraí)   

    Grazia de Grazia (consultora a movimentos populares e responsável por papéis importantes assumidos no Plano diretor e no Plano municipal de Habitação de Interesse Social do Rio de Janeiro) 

Seleção de profissional de cooperação social do Fórum Itaboraí: aprovados para a fase de entrevistas

Divulgação do resultado da primeira fase e convocação dos aprovados para entrevistas no dia 05 de março

Publicado em 02/03/2021 15h59

O Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde agradece a participação e interesse de todos os candidatos e torna público o resultado da primeira etapa do Processo Seletivo de profissional para atuar nos projetos de cooperação social.

Os candidatos e as candidatas aprovados na primeira fase participarão da segunda etapa da seleção nesta sexta-feira, 05 de março, a partir das 14h, conforme cronograma abaixo:

Douglas Henrique - 14h00

Lucas Conde - 14h20

Bárbara Lopes - 14h40

Lorena Lira - 15h00

Eurico Yogi - 15h20

Lucia Helena - 15h40

Mahmoud Raslan - 16h00

Marília Cuccolichio - 16h20

Nina Pinheiro - 16h40

Thiago Alvez - 17h00

Todas as entrevistas serão realizadas pela plataforma Zoom. O link da reunião será enviado por email aos candidatos aprovados.

Aos demais candidatos e candidatas agradecemos pela participação e informamos que os respectivos currículos serão arquivados no banco do Fórum Itaboraí para outras oportunidades!

 

 

Fórum Itaboraí procura profissional para atuar com projetos de cooperação social

A ênfase do trabalho será a perspectiva agroecológica, incluindo os trabalhos para a implantação, acompanhamento e monitoramento sócio técnico de quintais sócio produtivos e a  transição agroecológica em comunidades remanescentes quilombolas e em agricultores familiares de base camponesa.

Publicado em 22/02/2021 / Atualizado em 25/03/2021

No dia 22 de fevereiro foi iniciado o período de inscrição para a seleção de profissional para atuar nos projetos de cooperação social do Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde, programa especial da presidência da Fiocruz em Petrópolis/RJ. A vaga é destinada a profissionais graduados em ciências sociais, geografia, agronomia, biologia, urbanismo e outras afins. É desejável ter experiência comprovada de trabalho em comunidades rurais e urbanas. A carga horária é de 40 horas semanais e o contrato de trabalho tem duração de 24 meses.

Os interessados deverão encaminhar currículo e carta de intenção, até o dia 25 de fevereiro, para o e-mail forumitaborai@fiocruz.br  – colocar no assunto “SELEÇÃO ASSESSORIA”.

Além da análise da documentação, o processo seletivo para esta vaga prevê entrevista a ser realizada no dia 05 de março. O resultado final será divulgado no dia 08 de março.

Clique aqui para acessar o termo de referência*, com todas as informações detalhadas sobre a vaga e sobre o processo seletivo.

*ERRATAS do termo de referência:

1) As entrevistas individuais e divulgação do resultado final serão realizadas, respectivamente, nos dias 05 e 08 de março e não nos dias 04 e 05 de março, conforme cronograma do documento.

2) A remuneração seguirá a tabela Fiotec segundo tempo de experiência e não segundo formação acadêmica, conforme descrito no documento. 

Mapas de calor elaborados pela Fiocruz-Petrópolis serão usados pela Prefeitura para monitorar evolução da Covid-19 no município

Método usa a cartografia participativa e envolve unidades básicas de saúde

Texto: Thaís Ferreira (Fórum Itaboraí / Fiocruz) em colaboração com a ASCOM PMP /  Foto: ASCOM PMP

O Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde, programa especial da Presidência da Fiocruz em Petrópolis, e a Prefeitura Municipal de Petrópolis atuarão de forma integrada para ampliar o monitoramento da Covid-19 na cidade. O alinhamento foi objeto de um encontro, realizado na última quarta–feira (10/02), entre o Diretor do Fórum, Felix Rosenberg, e o Secretário Municipal de Saúde, Aloísio Barbosa da Silva Filho, juntamente com suas equipes. A intenção é envolver os profissionais da Atenção Básica que atuam nas comunidades com a Estratégia de Saúde da Família – ESF, incorporando a perspectiva dos territórios no monitoramento da incidência da doença no município. O método, desenvolvido pela Fiocruz-Petrópolis, usa a cartografia participativa e tem como objetivo traçar estratégias e avaliar medidas de prevenção e controle baseadas nos resultados obtidos com o uso da ferramenta – que permitirá mapear quase metade da população da cidade.

Para o secretário de Saúde, Aloisio Barbosa da Silva Filho, a cartografia participativa desenvolvida pela Fiocruz será fundamental para a tomada de decisões. “A ferramenta gera mapas cartográficos de calor que indicam as áreas de maior incidência da doença e como este trânsito acontece entre os bairros. É uma excelente forma de analisarmos o avanço da covid-19”, avaliou.

 “O principal objetivo deste sistema geográfico é permitir avaliar a gravidade para discutir estratégias e alertar a população sobre a presença da doença. O sistema funciona como um sinal de alerta que permite uma ação rápida para bloquear a contaminação e proteger os indivíduos”, explicou o diretor do Fórum Itaboraí, Felix Rosenberg.    

Segundo Rosenberg, a cartografia participativa consiste na aquisição de dados sobre os territórios, oriundos do departamento de Vigilância em Saúde e também a partir da visão de quem vive e trabalha nestes locais, principalmente os agentes comunitários de saúde. O trabalho foi iniciado em 2017 em oito áreas prioritárias, dando origem aos mapas territoriais, ricos em detalhes e agora serão ampliados para todas as unidades da Atenção Básica com Estratégia Saúde da Família. O método faz uma micro vigilância que envolve a população e estimula a corresponsabilidade no enfrentamento da doença.

Fórum Itaboraí recebe visita do prefeito em exercício de Petrópolis

Texto: Thaís Ferreira (Fórum Itaboraí / Fiocruz) /  Foto: Luiz Pistone (Fórum Itaboraí / Fiocruz)

Na última quinta-feira (07/01), em sua primeira semana à frente do executivo municipal, o prefeito interino de Petrópolis, Hingo Hammes, fez uma visita de cortesia e aproximação ao Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde, unidade da Fiocruz em Petrópolis, representado pelo seu diretor Felix Rosenberg.

O objetivo foi ampliar, fortalecer e garantir os vínculos institucionais existentes entre Fiocruz e Prefeitura Municipal e Petrópolis – PMP, estabelecidos desde outubro de 2011, quando o Fórum Itaboraí se instituiu formalmente em Petrópolis. Desde então, a PMP e a Fiocruz-Petrópolis são parceiras em diversos programas e projetos que envolvem a promoção integral da saúde no município, desencadeando a intersetorialidade com e entre diversas pastas da gestão pública municipal, dentre elas a Saúde, a Agricultura, o Planejamento, a Habitação, o Desenvolvimento Econômico, a Defesa Civil, a Cultura, a Educação, a Assistência Social e o Meio Ambiente. Na carteira das iniciativas, têm destaque: o programa de Territórios Sustentáveis e Saudáveis (2011); o Arranjo Produtivo Local de Plantas Medicinais – APL (2012-2019), com o Ministério da Saúde; o PAC-Estrada da Saudade (2013), com o Ministério das Cidades e a Caixa Econômica Federal; o projeto GIDES-JICA de cooperação entre Brasil e Japão na área de desastres socioambientais (2013-2017); o Diagnóstico Rápido Participativo – DRP e diversas ações de desdobramento para a promoção de saúde nos territórios, envolvendo as equipes de Estratégia da Saúde da Família e da assistência social (desde 2017); a implantação dos fóruns comunitários e Conselhos Locais de Saúde (desde 2018); os cursos de Educação Popular em Saúde (EduPopSUS), com a Escola Politécnica de Saúde – EPSJV (desde 2017), e de Especialização em Saúde Urbana, com a Escola Nacional de Saúde Pública - ENSP (desde 2018); a Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí - OCPIT, com apresentação de concertos em escolas públicas municipais e integrando a programação cultural oficial de fim de ano da cidade (desde 2012); e, mais recentemente, o monitoramento cartográfico participativo da Covid-19.

“São muitos projetos interessantes e tenho certeza que podemos aproveitar de maneira mais intensa essa parceria com essa instituição renomada no país. A Fiocruz pode nos ajudar de forma expressiva em questões como o mapeamento e combate à Covid-19 no município, já em curso, mas que podemos melhorar a interface entre os órgãos, para que o trabalho seja eficiente na ponta, para os que mais precisam”, afirmou o prefeito interino. Hammes também anunciou que a relação entre as partes será intensificada e, para tanto, nomeará uma pessoa do seu governo para gerir a relação Fiocruz-PMP e fazer a articulação intersetorial por dentro da gestão pública municipal.

Para Felix Rosenberg, diretor do Fórum Itaboraí, a prefeitura é o maior parceiro da instituição. “Precisamos estreitar permanentemente e fomentar esta relação institucional de quase 10 anos. Quem ganha é o cidadão, porque trabalhamos com a promoção da saúde nos territórios, nas comunidades, particularmente naquelas mais expostas à fragilidade social. Com a decisão conjunta de estarmos ainda mais próximos, teremos resultados cada vez de maior impacto para a saúde pública e o bem-estar social do Município”, celebrou o diretor.

Novidades da Trilha do Arboreto:“a maior folha do mundo” e abelhas Jataí

 

A Trilha do Arboreto, situada no Palácio Itaboraí/Fiocruz-Petrópolis, é uma trilha urbana de 808 metros, com um acervo vivo de mais de 440 espécies de plantas identificadas, a maioria delas de uso medicinal, além de uma caixa com abelhas nativas, sem ferrão, do tipo “Jataí”.

Thaís Ferreira (Fórum Itaboraí / Fiocruz)

Neste finalzinho de ano a Trilha ganhou mais uma atração: trata-se de uma espécie da família Polygonaceae - Coccoloba gigantifolia, chamada de “Uva-da-amazônia”, a maior folha dicotiledônea (plantas como o feijão, que quando germinam dão dois cotilédones, ou seja, dois pares de folhas embrionárias) do mundo, registrada no livro dos recordes, Guiness Book. Esta espécie pode chegar a 13 metros de altura e suas folhas, a 2,40 x 1,68 metros. Ela é endêmica do Brasil, foi encontrada pela primeira vez, em 1982, às margens do rio Canumã, afluente do rio Madeira, no município de Borba, no estado do Amazonas. Segundo os pesquisadores que a encontraram, trata-se de uma espécie provavelmente rara e está listada como ameaçada de extinção na Lista Vermelha da IUCN.

O Palácio Itaboraí já dispunha de uma amostra de sua folha desidratada/seca (foto) e agora passa a tê-la no seu acervo vivo, para fins de preservação e conservação da espécie, além do desenvolvimento de trabalhos científicos sobre propriedades e benefícios da planta. A muda introduzida na Trilha do Arboreto foi uma doação do INPA – Instituto Nacional de Pesquisa Amazônica, pelo pesquisador Dr. A. C. Cid Ferreira. 

Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí faz apresentação de Natal nada costumeira

Vídeos com apresentações estão disponíveis no YouTube

Thaís Ferreira (Fórum Itaboraí / Fiocruz)

 

A Orquestra de Câmara do Palácio Itaborai – OCPIT acaba de disponibilizar no canal de youtube do Fórum Itaboraí três vídeos de seu curto concerto de Natal de 2020, em um formato adaptado às condições permitidas pelo contexto da pandemia da Covid-19. Para não gerar aglomerações, as apresentações foram realizadas com uma formação reduzida, de nove instrumentistas, em gravações realizadas na varanda do Palácio Itaboraí, em Petrópolis. No repertório estão: “Canção Angelical”, do compositor Félix Mendelssohn, “Greensleaves”, de compositor anônimo do século XVI, e “Feliz Natal e Boas Festas”, de Heitor Villa-Lobos, todas com adaptação de Sérgio Barboza e sob regência de Celso Franzen e de Luiz Felipe Galdino.

 

Formada, atualmente, por 24 jovens músicos de Petrópolis, estudantes da rede pública de ensino, a Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí é um projeto sociocultural criado em 2013 pelo Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde, unidade da Fiocruz em Petrópolis, cujo propósito é desenvolver o aprendizado com perspectiva profissionalizante e humanista. Os jovens musicistas vivenciam um curso intensivo e gratuito no decorrer de quatro anos, com aulas teóricas e práticas de música, masterclasses e intercâmbios com universidades de música, além de apresentações regulares de concertos para diversos públicos, inclusive em escolas da rede pública de Petrópolis, totalizando uma carga horária de 300 horas por ano.

 

“Este ano nosso concerto de Natal é atípico, bem diferente do que temos feito nos últimos anos, quando realizamos apresentações abertas ao público na concha acústica do Museu Imperial, na programação oficial da Prefeitura de Petrópolis e junto ao Sesc. Mas 2020 foi um ano muito desafiante para todos nós e, exatamente por isso, para buscarmos manter acesa a chama da criatividade, da superação e, sobretudo, da saúde integral, fizemos questão de presentear a sociedade com estas pérolas musicais, com o que estes jovens instrumentistas e toda a equipe da OCPIT conseguiu produzir, com tamanha entrega pessoal e qualidade, mesmo em tempos tão adversos”, celebra Felix Rosenberg, diretor do Fórum Itaboraí.

 

Segundo o maestro e coordenador da OCPIT, Celso Franzen Jr., apesar da pandemia ter prejudicado muito a Orquestra, especialmente por se tratar de um grupo musical, que requer o trabalho em conjunto para se manter e evoluir, é possível tirar um saldo muito positivo dos trabalhos em 2020. “Embora alguns jovens tenham tido que abandonar a Orquestra por diversas razões durante a pandemia, a maioria dos alunos conseguiu sustentar uma rotina de estudos. Isso só foi possível com a determinação pessoal, além do apoio de toda a equipe da OCPIT e dos familiares, o que permitiu aos alunos manterem o nível musical que já haviam alcançado”, explica Celso. “E tivemos também um surpreendente desenvolvimento técnico de alguns alunos iniciantes, que estavam recém-chegados ao grupo quando a pandemia começou. Por isso, terminar o ano conseguindo produzir este pequeno concerto natalino e entregar isso de volta para sociedade é motivo de muito orgulho”, comemora o maestro.

 

Uma dessas alunas iniciantes é Thalyta Carvalho, de 16 anos, estudante do Liceu Municipal e que toca violino. Ela conta que sentiu muita falta de encontrar as pessoas da Orquestra e que algumas limitações como a intermitência da internet, os ruídos e movimentos de todos em casa enquanto ela aprendia e ensaiava e até a dificuldade de não entender algumas questões das aulas de teoria quase a fizeram desistir algumas vezes. “Mas os professores ajudaram muito a sermos persistentes e como eu não tinha nada pra fazer, estava à toa, acabei conseguindo me dedicar aos estudos do violino. Ia pra casa da minha avó, que fica aqui do lado, para estudar e valeu muito a pena, porque aprendi muito, coisas que antes eu não sabia e até tinha dificuldades e hoje me sinto bem mais confiante”, alega Thalyta.

 

E os resultados positivos não param por aí. Em 2020, A OCPIT recebeu a doação de instrumentos, que são fundamentais para a continuidade dos trabalhos. Dentre eles, um violoncelo, um violão, uma flauta transversal e o tão sonhado piano, que o grupo desejava há algum tempo, tanto para apoiar no trabalho de teoria musical com os alunos, quanto para compor um ambiente mais propício para concertos abertos no Palácio Itaboraí. A doadora é Karine Chaves da Silva, professora de inglês, que doou também a flauta. “Minha avó me deu esse piano quando eu tinha 16 anos. Meu sonho nessa idade era tocar piano profissionalmente, fazer faculdade de música e sair pelo mundo afora como musicista. Mas eu não tinha muito talento e hoje reconheço isso. Acabei tomando outro caminho, mas o piano continuou tendo toda minha estima, porém sem o mesmo espaço na minha vida. Ao doar a flauta para a OCPIT, vi que era hora do piano ir também. Eu chorei muito, mas fui consolada por entender que, apesar de eu não ter conseguido realizar aquele sonho, um pedacinho dele poderia ser parte da história e dos sonhos de outros adolescentes e jovens. Alguns recomendaram que eu vendesse, mas se eu fizesse assim não teria a mesma essência”, conta Karine, emocionada.

 

O ano de 2020 foi também de conquista pela OCPIT do Prêmio Maestro Guerra-Peixe de Cultura, na categoria “música erudita”, pelo trabalho realizado em 2019. Trata-se do mais importante reconhecimento do cenário cultural da cidade de Petrópolis e acontece todos os anos com o objetivo de consagrar os principais artistas e iniciativas culturais do município e, também, manter viva a homenagem a um dos maiores compositores e arranjadores brasileiros, o petropolitano César Guerra-Peixe (1914-1993). A Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí recebe aporte financeiro do orçamento regular da Fiocruz, além do patrocínio da GE-Celma, desde fins de 2015, e da Schott Brasil, desde 2017, ambos por meio da Lei de Incentivo à Cultura, e, ainda, doações de pessoas físicas, por meio do abatimento no imposto de renda devido.

 

Para conhecer mais sobre a Orquestra de Câmara do Palácio itaboraí, assista ao documentário em www.youtube.com/watch?v=kjeYKqG2J9s&t=1s

 

Páginas