Notícias - Participação Comunitária

Teatro do Oprimido inspira profissionais que atuam em comunidades

Na última quarta-feira (26), o Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde - Fiocruz/Petrópolis promoveu, em parceria com as Secretarias Municipais de Saúde e Assistência Social, o primeiro workshop do Teatro do Oprimido com profissionais dos Postos de Saúde e CRAS que atuam em comunidades de Petrópolis. A iniciativa faz parte do acordo de cooperação entre as instituições no desenvolvimento de estratégias intersetoriais de promoção da saúde nos territórios. O objetivo é ampliar os recursos destes profissionais para que possam fortalecer os vínculos, se aproximarem mais das pessoas e da realidade delas, ressignificando e qualificando o trabalho que já realizam. O grupo, de 35 profissionais, se reunirá para outros workshops, quando, juntos, construirão uma peça teatral a ser apresentada na Semana Municipal de Saúde, em novembro.

Festa na Roça no bairro Amazonas mobiliza moradores para discutir problemas locais

Realizada no sábado, dia 9 de junho, a Festa na Roça no bairro Amazonas, no Quitandinha, trouxe uma motivação especial: reunir as pessoas do bairro, fortalecendo os elos comunitários, com vistas a mobilizar a comunidade para participar e discutir políticas públicas, problemas e proposições que melhorem as condições de quem vive naquele território. A Festa, idealizada e organizada pela equipe do Posto de Saúde do Amazonas e pelos moradores, foi também fruto de ações coordenadas entre a Secretaria Municipal de Saúde de Petrópolis – SMS e o Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde, unidade da Fiocruz em Petrópolis, para a gestão local participativa e intersetorial.

Bruna da Silva, moradora e agente comunitária de saúde no Amazonas, conta que essa ideia surgiu porque a equipe do Posto de Saúde tem percebido que apenas reuniões não estão sendo mais tão efetivas para engajar as pessoas a participarem das mudanças que desejam. “As pessoas acham as reuniões chatas e já não querem mais participar. Pensamos em algo de sucesso, positivo, que envolva toda a comunidade na realização. Porque se nos reunimos para fazer uma festa e der certo, também podemos nos reunir para uma ação sobre o lixo, para uma atividade na escola, para educação popular, para aquilo que a comunidade entender que é mais relevante para ela. Estamos celebrando para mobilizar”, explica, Bruna. “Como profissionais de saúde comunitária, queremos também mostrar que Posto é um parceiro. Somos parte do bairro e caminhamos junto”, complementa a agente de saúde.

 

Por meio de um acordo de cooperação, a SMS e o Fórum Itaboraí colaboram, há cerca de dois anos, em ações continuadas e consecutivas para o diagnóstico comunitário e a promoção da saúde pública em territórios de atuação da Estratégia de Saúde da Família – ESF, em Petrópolis. No final de 2017, foi constituído um Grupo de Trabalho (GT), formado por profissionais das áreas de planejamento, da atenção básica e das equipes da Saúde da Família da SMS, além de pesquisadores da equipe social do Fórum Itaboraí, que se reúnem mensalmente, construindo diretrizes e acompanhando o processo de implementação do Plano de Ação do Projeto de Saúde da Família como indutor da Gestão Local Intersetorial Participativa no Município de Petrópolis, inicialmente, em oito territórios, sendo Amazonas um deles. “Um dos nossos focos é fomentar a estruturação de um Conselho Local de Saúde, que discuta não só questões objetivas da dimensão da saúde propriamente, mas também outros problemas comunitários que afetam a qualidade de vida daquela população, que envolvam, por exemplo, transporte, lazer, assistência social, cultura, segurança, entre outros. Porque isso é saúde”, explica Fátima Cristina Coelho, Diretora da Atenção Básica da SMS. 

 

Para Sônia Carvalho, coordenadora da equipe social do Fórum Itaboraí, a estreita colaboração entreas equipes em si e delas com a comunidade é um quesito chave para o sucesso do trabalho em curso: “Este é processo cada vez mais coletivizado, consciente e corresponsabilizado das condições de vida da população, que nasce da intersetorialidade no território, na própria base comunitária. O que nos guia em nossos trabalhos é o conceito ampliado de saúde. Porque saúde não se trata apenas de combater ou tratar doenças. É muito maior que isso. Abrange condições socioeconômicas e ambientais que promovam o bem-viver, o estar de bem com a vida e com o seu entorno”, conclui.

 

Para a Festa na Roça acontecer, moradores do bairro doaram materiais para a decoração e comerciantes forneceram pães e salsichas para cachorro-quente e também prendas para as barracas de brincadeira das crianças e para sorteio de brindes. Barracas de artesanato e de comidas com produtos feitos na própria comunidade a preços acessíveis também marcaram presença, divulgando as capacidades e talentos dos moradores, incluindo apresentações de dança e capoeira de grupos culturais da comunidade. “O objetivo era que ninguém ficasse de fora, que todos participassem”, comemora Bruna. Durante a Festa, foi divulgada uma proposta do Conselho Local de Saúde convidando os presentes para a reunião que acontecerá no Posto de Saúde do Amazonas em julho, com o objetivo de informar, tirar dúvidas e escutar os moradores. Dali, espera-se que surjam nomes de representantes para formação deste Conselho.

 

 

Fórum Itaboraí (Fiocruz/Petrópolis), Prefeitura de Petrópolis e agricultores discutem ações para fortalecimento da agricultura familiar orgânica

O fortalecimento da organização coletiva, a criação de uma cooperativa de processamento de produtos orgânicos e as ações necessárias para o aumento da produção orgânica foram discutidas durante uma reunião técnica de apresentação e discussão do projeto "Fortalecimento da agricultura familiar orgânica”, promovida pela Fiocruz, por meio do Fórum Itaboraí, e pelo Departamento de Agricultura da Secretaria de Desenvolvimento Econômico.

Participaram do evento, realizado em 08 de junho no Palácio Itaboraí, 36 pessoas, entre produtores, representantes da ABIO - Associação de Agricultores Biológicos do Estado do Rio de Janeiro, Embrapa,  MAPA - Ministério da Agricultura, Pecuário e Abastecimento, Sebrae e presidentes de associações.

 “O objetivo foi o de promover o diálogo e a participação de agricultores, militantes e protagonistas da agricultura familiar orgânica de Petrópolis, de forma a agregar contribuições e sugestões na revisão e redefinição das diretrizes estratégicas que nortearão as ações do Projeto ‘Fortalecimento da Agricultura Familiar Orgânica em Petrópolis’”, explicou Daiana de Melo Gomides, integrante da equipe multidisciplinar responsável pelo projeto idealizado pelo Fórum Itaboraí.

Petrópolis conta atualmente com cerca de cem produtores que se dedicam à produção orgânica e a intenção, segundo o Departamento de Agricultura da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, é a de estimular o crescimento da produção para que esse tipo de alimento atenda às demandas de setores como o gastronômico e hoteleiro. “Temos tudo para tornar esse tipo de produção mais uma vocação em Petrópolis. Através desse projeto criado pela Fiocruz, vamos ouvir os produtores e estudar a melhor forma de incentivo para que todas as ações pontuadas no projeto sejam realizadas com sucesso”, disse o secretário de Desenvolvimento Econômico Marcelo Fiorini.

O projeto, criado pela Fiocruz, foi contemplado no Acordo de Cooperação entre a Fiocruz/BNDES e Fiotec para promover a inclusão socioeconômica e o desenvolvimento sustentável de comunidades rurais e urbanas de baixa renda. Todo o programa compreende quatro eixos estruturantes: Organização coletiva /implantação da cooperativa; Implantação da Central de Processamento Mínimo; Canais de Comercialização; e Capacidade Produtiva. Os assuntos nortearam o encontro. Na ocasião, os participantes foram divididos em dois grupos e puderam refletir e apontar os principais desafios e obstáculos, bem como desenvolver propostas de ações e soluções de cada tema proposto. O projeto prevê a criação da Copope - Cooperativa de Produção Orgânica de Petrópolis. A iniciativa contará com o acompanhamento da Prefeitura, Fiocruz, Fiotec, BNDES, Embrapa, UFF - unidade Petrópolis e ABIO.

Segundo o levantamento feito pela Fiocruz, através de um esforço conjunto pode-se agregar valor aos produtos orgânicos produzidos no município e o processamento pode auxiliar nessa questão, inclusive facilitando o atendimento das demandas de diferentes setores.

O encontro, segundo Daiana Gomides, gerou ampla discussão e envolvimento dos participantes. “Diversas propostas de estratégias de ação e desdobramentos foram levantadas e serão consolidadas, avaliadas e aplicadas na perspectiva de uma construção coletiva de um plano de ação. Os próximos passos compreendem a divulgação e apresentação do projeto aos grupos de agricultores orgânicos do município, fazer levantamento dos agricultores interessados em participar da cooperativa, fazer o levantamento de demanda de consumo de produtos orgânicos e elaborar o projeto da Central de Processamento. Depois destas etapas, o projeto será revisado e submetido a nova avaliação pelo BNDES”.

“Essa foi a primeira reunião. Agora, a partir da devolutiva dos produtores, vamos nos organizar para cumprir as próximas ações previstas no cronograma”, explicou o diretor do Departamento de Agricultura da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, José Mauricio Soares.

Futuramente, o projeto prevê o aumento da produção local de alimentos orgânicos em 30% ao ano, com os alimentos processados utilizados nos setores locais como restaurantes e hotéis, além de departamentos da prefeitura. Também está prevista a formalização dos produtores e a certificação para comercialização nacional, além da criação de um observatório permanente de produção e gestão agrícola orgânica.

Também participaram do encontro o secretário de Meio Ambiente, Fred Procópio, o subsecretário de Desenvolvimento Econômico, Dalmir Caetano, e a chefe do Departamento de Urbanismo da Prefeitura, Layla Talin. (texto adaptado da matéria publicada pelo Jornal Diário de Petrópolis)