Organizações de jovens publicam "Carta da Juventude"

Documento foi elaborado a partir de discussões do "I Fórum Social da Juventude de Petrópolis".

As organizações de jovens do município, representadas na coordenação do I Fórum da Juventude de Petrópolis, realizado em associação e nas dependências do Palácio Itaboraí/Fiocruz, iniciaram divulgação da “Carta da Juventude”.
O documento foi elaborado a partir dos registros das inúmeras atividades que compuseram a programação do evento, com especial destaque às Mesas de Debates e Rodas de Conversas que abordaram temas variados selecionados pelos jovens a partir de seus interesses particulares.
De acordo com seus autores, a “Carta da Juventude” apresenta aos Poderes Públicos e à sociedade Petropolitana, de forma geral, o contexto sócio-político e cultural, segundo os participantes do Fórum, suas análises e críticas, assim como proposições de formas de abordagem e resistência às dificuldades que identificam em suas experiências como cidadãos em nosso município.
 
Clique aqui para ver a "Carta da Juventude" ou aqui para saber mais sobre o "I Fórum Social da Juventude de Petrópolis".
 

Agricultores orgânicos do Caxambu entregam primeiro lote de matéria prima vegetal para prescrição à população

 

Agricultores orgânicos do Caxambu, que fazem parte do Arranjo Produtivo Local – APL de Plantas Medicinais de Petrópolis 2012, entregaram ao Dr. Candinho e equipe do Posto de Saúde do Caxambu o primeiro lote de matéria prima vegetal para prescrição à população, tendo mais uma opção no tratamento de doenças e na promoção da saúde do petropolitano que utiliza o SUS. O APL 2012 é uma experiência integrada e sustentável de desenvolvimento local, fruto de uma cooperação entre a Prefeitura Municipal de Petrópolis e o Fórum Itaboraí/ Fiocruz - Petrópolis.

Fórum Itaboraí integra programação da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia no LNCC

Fórum Itaboraí integra programação da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia no LNCC

De 16 a 18 de outubro, atrações promovidas pelo Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde - Fiocruz/Petrópolis integrarão a programação da 15a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, no Laboratório Nacional de Computação Científica – LNCC, no Quitandinha.  O tema deste ano, “Ciência para a Redução das Desigualdades”, baseia-se na Agenda 2030, estabelecida pela Organização das Nações Unidas – ONU e está relacionado aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável - ODS, especificamente o de número 10: Redução das Desigualdades. O evento é gratuito e dele participam diversas instituições.

 

Dentre as atrações oferecidas pelo Fórum Itaboraí - Fiocruz-Petrópolis estarão Jogos dos ODS, workshops do Teatro do Oprimido, apresentações da Orquestra de Câmara do Palácio Itaboraí , instalação de um jardim sensorial e medicinal (que se tornará permanente no LNCC), palestra sobre saúde na comunidade, exposição viva de plantas medicinais, reunindo 33 espécies e suas curiosidades,  além da maior folha do mundo, horta suspensa, doação de mudas de plantas medicinais e de algumas espécies da Mata Atlântica. A programação completa pode ser acessada em: https://www.lncc.br/eventoSeminario/eventoconsultar.php?vMenu=&idt_evento=1860

 

Caxambu tem seus primeiro agricultores com certificação orgânica

Os agricultores Maria Eugênia e Betinho, do Caxambu, acabam de receber a certificação de produtores orgânicos, concedido pela Associação de Agricultores Biológicos do Estado do Rio de Janeiro - Abio, com o apoio do Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde, unidade da Fiocruz em Petrópolis. O casal de agricultores integra o Arranjo Produtivo Local de Plantas Medicinais – APL Petrópolis 2012, coordenado pelo Fórum Itaboraí em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde de Petrópolis, cujo objetivo é fortalecer e disseminar as práticas de uso das plantas medicinais para promoção da saúde e do bem-estar da população, por meio de ações integradas e sustentáveis que envolvem agricultores, pesquisadores e profissionais da área de saúde.

 

“Para participar do Projeto APL Petrópolis e cultivar as plantas medicinais a serem utilizadas nos postos de saúde, o agricultor precisa ser orgânico. E, por esta razão, apoiamos a transição da Maria Eugênia e do Betinho do sistema convencional de produção agrícola para o orgânico”, comemora Sergio Monteiro, biólogo, responsável pelo setor de Plantas Medicinais do Fórum Itaboraí e coordenador, pelo Fórum, do APL 2012. “Eles são pioneiros no Caxambu no cultivo orgânico, um local tradicionalmente conhecido pelo uso de agrotóxicos na produção de hortaliças. Além de estarem entre os agricultores que vão produzir plantas medicinais para o cuidado na saúde da população também já estão fornecendo hortaliças para restaurantes. A experiência deles certamente servirá de inspiração para outros agricultores da localidade, mostrando que é possível produzir alimentos mais saudáveis, com menor impacto para o agricultor e para o meio ambiente e gerando renda”, complementa Sergio.

 

Maria Eugênia Ferreira da Silva é professora aposentada e Carlos Alberto Ferreira da Silva, servidor público aposentado. Suas famílias são originárias do Caxambu e os pais e avós de Betinho eram agricultores. Até pouco tempo, o casal plantava para o consumo próprio, quando resolveu conhecer mais sobre o sistema de produção orgânica e decidiu entrar para este mercado. “Esse sistema é mais saudável para nós, para o solo, para o meio ambiente e para o planeta Terra. O agrotóxico é um veneno, acaba com a terra, que não produz com consistência e sabor e fica esfarelenta. Pessoal quer sugar da terra com rapidez, para colocar dinheiro rápido no bolso. Mas as terras aqui não estão dando mais, de tão doentes que ficaram. E quando vem chuva forte leva tudo, porque o solo não segura”, avalia Maria Eugênia. “Temos terra disponível e queremos nos alimentar bem e que outras pessoas também se alimentem com saúde. E agora isso virou fonte de renda pra nós. Muita gente fica com medo de mudar do convencional para o orgânico. Mas é possível. Queremos que essa moda pegue”, conclui a agricultora.

 

Fórum Itaboraí entrega primeiro lote de plantas medicinais à Secretaria de Saúde de Petrópolis

Médicos de Postos de Saúde em Petrópolis passarão a prescrever também plantas medicinais no tratamento da população

A última sexta-feira (2809/18) marcou a entrega do primeiro lote de plantas medicinais, com certificação orgânica, para prescrição nos Postos de Saúde de Petrópolis. O evento reuniu representantes da Secretaria Municipal de Saúde - SMS do município e do Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde – Fiocruz/Petrópolis, parceiros envolvidos no Arranjo Produtivo Local – APL de Plantas Medicinais de Petrópolis 2012, projeto que permitiu que estas plantas chegassem gratuitamente à população com segurança, por meio do Sistema Único de Saúde - SUS.

Este primeiro lote, composto de capim limão e alumã, será utilizado nos postos de Saúde do Bataillard, Caxambu e nas Academias de Saúde do município. O objetivo é que os médicos comecem a prescrever as plantas medicinais, tendo mais uma opção no tratamento de doenças e na promoção da saúde do petropolitano que utiliza o SUS. Para Fabíola Heck, Secretária Municipal de Saúde de Petrópolis, esta é uma mudança cultural que precisa acontecer. “Precisamos divulgar o uso das plantas medicinais como alternativa de tratamento para população. E assim, embaladas, etiquetadas e com a garantia de procedência, facilita muito para que possamos trabalhar com segurança e em escala junto aos pacientes das unidades de saúde”, avalia Fabíola.  “Ter essas plantas em nossas mãos é uma grande vitória e uma grande oportunidade, pois quem conhece as plantas medicinais sabe o poder que elas têm, e será um grande benefício para as pessoas que farão uso delas”, complementa Roseane Borsato, Farmacêutica do Núcleo de Assistência da SMS.

Sergio Monteiro é biólogo e coordenador, pelo Fórum Itaboraí, do APL de Plantas Medicinais e comemora o atual momento. “A dispensação da matéria prima vegetal às unidades do SUS em Petrópolis representa em si uma grande conquista, que é dar acesso à população a plantas que ajudarão a promover a saúde. Esse exemplo certamente estimula novas iniciativas e fortalece a inclusão das plantas medicinais na saúde pública. Mas este momento representa, também, o cumprimento da última meta do nosso APL, guardando, em cada pacote entregue, todo trabalho em rede realizado ao longo destes anos, um arranjo produtivo local, do qual participam pesquisadores, agricultores, a profissionais da área de saúde. Por fim, toda esta proposta valoriza nosso território e nossa biodiversidade, uma vez que as áreas produtivas destas plantas medicinais se tornaram naturais, com a implantação de sistemas agroecológicos de cultivos orgânicos”, explica o biólogo.

Sobre o APL de Plantas Medicinais de Petrópolis 2012

O APL de Plantas Medicinais começou em 2012, quando o Fórum Itaboraí, em parceria com a Prefeitura Municipal de Petrópolis, submeteu proposta que foi selecionada no primeiro edital de projetos de Arranjos Produtivos Locais (APLs) voltados à produção de insumos de origem vegetal, considerando a agricultura familiar e o conhecimento tradicional e científico, da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde. O projeto é, assim, uma iniciativa para o fortalecimento e disseminação das práticas de uso das plantas medicinais para promoção da saúde e do bem-estar da população. E o que faz dela uma experiência integrada e sustentável de desenvolvimento local são: a rede de atores envolvidos e o bem desenhado sistema operacional, que parte da exploração sustentável de recursos naturais, envolvendo pequenos agricultores locais, capacitados; passa pela certificação científica, com a chancela de pesquisadores da Fiocruz; e culmina em políticas públicas para o setor, com a dispensação, inicialmente gratuita, das plantas medicinais para uso no SUS Municipal.

Cabe ressaltar, ainda, que as plantas medicinais, de forma integrada com o APL, fazem parte de outra iniciativa do Fórum: o Arboreto do Palácio Itaboraí, uma trilha urbana de 808 metros, com um acervo de mais de 300 espécieis de plantas vivas e identificadas, sendo a maior parte delas medicinais, localizada na sede da Fiocruz em Petrópolis, no bairro Valparaíso. É aberta ao público de 8h às 17h, de segunda a sábado, e visitas guiadas por monitora podem ser realizadas mediante agendamento (www.servicos.gov.br/servico/visitar-o-palacio-itaborai?campaign=destaque ou www.forumitaborai.fiocruz.br/formulariosdeservicos).

Teatro do Oprimido inspira profissionais que atuam em comunidades

Teatro do Oprimido inspira profissionais que atuam em comunidades

Na última quarta-feira (26), o Fórum Itaboraí: Política, Ciência e Cultura na Saúde - Fiocruz/Petrópolis promoveu, em parceria com as Secretarias Municipais de Saúde e Assistência Social, o primeiro workshop do Teatro do Oprimido com profissionais dos Postos de Saúde e CRAS que atuam em comunidades de Petrópolis. A iniciativa faz parte do acordo de cooperação entre as instituições no desenvolvimento de estratégias intersetoriais de promoção da saúde nos territórios. O objetivo é ampliar os recursos destes profissionais para que possam fortalecer os vínculos, se aproximarem mais das pessoas e da realidade delas, ressignificando e qualificando o trabalho que já realizam. O grupo, de 35 profissionais, se reunirá para outros workshops, quando, juntos, construirão uma peça teatral a ser apresentada na Semana Municipal de Saúde, em novembro.

 

Intersetorialidade para promoção da saúde

A Secretária Municipal de Assistência Social de Petrópolis, Denise Quintella, esteve ontem (26/09/18) em uma visita de cortesia a Felix Rosenberg, diretor do Fórum Itaboraí: Política , Ciência e Cultura na Saúde - Fiocruz/Petrópolis. Deste encontro, surgiu de ambas instituições interesse em estabelecer laços de coperação, integrando a Assistência Social no trabalho intersetorial que já acontece em comunidades petropolitanas voltado à promoção da saúde, fruto de uma parceria entre o Fórum Itaboraí e a Secretaria Municipal de Saúde. A nova cooperação também cria oportunidade de desenvolverem, em conjunto, um programa para capacitação de técnicos do CRAS, incluindo o papel da assistência social no cumprimento dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável e das metas da Agenda Global 2030.

Serviços oferecidos pela Fiocruz serão disponibilizados em plataforma nacional de consulta e agendamento

No dia 12 de julho de 2018, a Fundação Oswaldo Cruz lançou a última versão do “Guia de Serviços da Fiocruz”*,  um documento que reúne, de forma detalhada, todo o conjunto de serviços oferecidos pela instituição aos seus diversos públicos.

Criado com o objetivo de tornar mais simples e intuitiva a busca por essas atividades, o Guia faz parte dos esforços institucionais para melhorar a visibilidade, agilidade e transparência na prestação dos serviços.

E para facilitar e ampliar ainda mais o acesso a essas atividades, a Fundação Oswaldo Cruz iniciou a integração de alguns de seus serviços com o “Portal de Serviços”**, uma plataforma do Governo Federal que permite não apenas a consulta de informações como também possibilita a solicitação, o acompanhamento e a avaliação de alguns destes serviços.

Atualmente, já são 8 serviços da Fiocruz*** cadastrados na plataforma, sendo que 3 deles serão completamente automatizados até o final de 2018, permitindo que qualquer cidadão realize o agendadamento, tire dúvidas e avalie o serviço prestado diretamente do computador, tablet ou smartphone.

O primeiro serviço a permitir essa interação automática é a visita ao Palácio Itaboraí, sede do Fórum Itaboraí****, programa da presidência da Fiocruz em Petrópolis-RJ que oferece a visitação para diversas mostras e exposições temporárias além da visita guiada à Trilha do Arboreto, uma exposição viva e permanente da biodiversidade vegetal. A solicitação poderá ser feita, através de cadastro, a partir do dia 24 de setembro no “Portal de Serviços”.

 

Previsão dos próximos serviços Fiocruz que poderão ser solicitados digitalmente:

Setembro - Doar Leite Materno

Dezembro - Visitar Museu da Vida

 

Lista de links úteis (clique para acessar):

* Guia de Serviços Fiocruz

**Portal de Serviços do Governo Federal

*** Portal de Serviços Fiocruz

**** Portal de Serviços Fórum Itaboraí

Exposição gratuita sobre biodiversidade em cartaz no Palácio Itaboraí

Formada por painéis e módulos interativos, a exposição "Biodiversidade e saúde" destaca as relações entre a biodiversidade, a saúde e suas perspectivas socioambientais, e busca discutir os impactos da intervenção humana na natureza – estima-se que a atual taxa de extinção de espécies esteja entre mil e 10 mil vezes maior que a natural. Esse debate é fundamental, especialmente neste momento, em que nos aproximamos do final da Década da Biodiversidade (2011-2020).

As atrações incluem um jogo da memória sobre espécies brasileiras ameaçadas de extinção e uma atividade sobre as relações ecológicas que acontecem no ambiente da floresta. Além disso, os visitantes poderão conhecer mais sobre os seis biomas brasileiros – a Floresta Amazônica, maior floresta tropical úmida do mundo; o Pantanal, maior planície inundável; o Cerrado de savanas e bosques; a Caatinga de florestas semi-áridas; os campos dos Pampas; e a floresta tropical pluvial da Mata Atlântica.

A biodiversidade como fonte de saúde é um dos destaque da exposição, que aborda o reconhecimento científico de plantas medicinais e a distribuição de fitoterápicos no SUS.

A mostra foi realizada pelo Museu da Vida da Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz), em parceria com o Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos).

 

SERVIÇO: 

Exposição “Biodiversidade e Saúde”
De 3 de setembro até 21 de dezembro

Datas e horários de visitação: de terça a sexta, das 8h30 às 16h30, e aos sábados, das 9h às 16h
Local: Palácio Itaboraí / Fiocruz Petrópolis
Endereço: Rua Visconde de Itaboraí, 188, Valparaíso
Informações e agendamentos: (24) 2246-1430

 

 

Fórum Social da Juventude de Petrópolis 2018: Diálogo e Diversidade

 

Fórum Social da Juventude mobiliza jovens petropolitanos

O 1º. Fórum Social da Juventude, realizado no último sábado, 25 de agosto, no Fórum Itaboraí: Ciência, Política e Cultura na Saúde, unidade da Fiocruz em Petrópolis, reuniu mais de 250 pessoas, a maioria jovens, nas diversas atividades programadas ao longo do dia e foi um marco nas discussões sobre temas que afetam e são do interesse da juventude petropolitana.

 

Entre as atividades estiveram debates e rodas de conversa sobre distintos temas que estão relacionados com esta fase da vida e que também envolvem a elaboração de políticas públicas específicas para este segmento da população nas áreas de cultura, educação, saúde, participação social, direito à cidade, gênero, profissionalização, entre outros. A programação, desenhada pelos próprios jovens, foi, entretanto, além do pensamento crítico, dos diálogos e da geração de ideias, objetivamente, e incluiu também atrações culturais, como apresentações artísticas, rodas de rima, capoeira, exibição de filmes, grafite, exposições e oficinas, sendo a maior parte delas conduzidas e executadas por jovens de Petrópolis.

 

Nathan Gomes, 22 anos, membro da comissão organizadora do Fórum, avalia que um dos grandes ganhos do evento foi a oportunidade de diálogo, de trocas e de encontro da diversidade da juventude na cidade. “É a primeira vez que um evento desse acontece na cidade e a gente comemora poder discutir pautas novas e outras não tão novas que permeiam a juventude, como LGBTfobia, homofobia, racismo e outros. E mais que discutir, poder registrar e compartilhar a nossa opinião sobre a cidade que a gente vive, sobre as políticas públicas para a juventude, isso é muito rico e muito importante”, observa Nathan.

 

A Carta da Juventude de Petrópolis, redigida ao final do Fórum, contendo os principais pontos debatidos e as propostas deles decorrentes, trouxe como temas centrais a mobilidade urbana, a falta de espaço de lazer e cultura para a juventude, a necessidade do cumprimento do Estatuto da Juventude e a garantia de direitos. Nela estão contempladas também discussões sobre os impactos, na vida dos jovens, do racismo, do machismo e das questões que envolvem a diversidade de gênero. Esta Carta será publicizada para toda sociedade petropolitana, enviada aos meios de comunicação e encaminhada aos Conselhos Municipais.

 

Para Felix Rosenberg, Diretor do Fórum Itaboraí, o 1º Fórum Social da Juventude de Petrópolis superou todas as expectativas. “Ficou evidente a enorme capacidade de organização dos jovens; a riqueza das iniciativas culturais no nosso território, nossa cidade; a sua vital carência de espaços públicos para conviver, trocar ideias e experiências e fortalecer as suas práticas democráticas e o seu reconhecimento e cuidado pela coisa pública, quando eles acham que fazem parte da mesma. Um grande aprendizado para esta juventude e para nós”, conta Rosenberg, afirmando que a proposta é que o evento se torne regular na agenda e no espaço do Palácio Itaboraí, assim como a promoção de eventos similares nas comunidades do município.

 

Acesse nossa página do facebook para ver mais fotos do evento: https://www.facebook.com/pg/forumitaborai/photos/?tab=album&album_id=565327027214909

 

 

Páginas